sicnot

Perfil

Mundo

Associações pedem fim de venda de galgos da Irlanda para corridas em Macau

Organizações de defesa dos animais pediram ao Governo da Irlanda para proibir a exportação de galgos para Macau, condenando a forma como estes cães são usados em corridas no território.

reuters

O apelo consta de uma carta dirigida ao ministro da Agricultura da Irlanda, Simon Coveny, e assinada pelos responsáveis de três organizações: as irlandesas SPCA e The Irish Blue Cross e a Dogs Trust, descrita no texto como "a maior" organização europeia de defesa do bem-estar dos cães.

As organizações dizem-se "seriamente preocupadas e desapontadas" com recentes notícias confirmadas de que foram vendidos galgos da irlanda para o canídromo de Macau, uma região da China com administração especial.

Existe em Macau um registo "bem documentado e deplorável" no que toca às condições em que correm os galgos e à forma como são tratados no Canídromo Yat Yuen, sublinham no mesmo texto.

As três organizações lembram que trabalharam com a indústria ligada aos galgos na Irlanda para subir os padrões de tratamento destes cães e que foi assinado em 2011 o "Welfare of Greyhounds Act", após "extensa consulta" entre os departamentos governamentais que tutelam esta área, a indústria e as associações de defesa dos animais.

Neste contexto, a exportação de galgos para Macau é "um enorme passo atrás", que contraria "a letra e o espírito" do documento assinado em 2011, consideram os signatários da carta, que dizem ser impossível controlar o tratamento dado aos galgos enviados para Macau.

As organizações sublinham também que o Irish Greyhound Board (uma comissão que regula as corridas de galgos na Irlanda) decidiu em 2011 excluir a China dos destinos de exportação de cães.

"Não deve haver exportação de galgos para jurisdições onde não existem condições de bem-estar [animal] equivalentes às da Irlanda", lê-se no texto dirigido ao ministro, com data de 28 de abril e tornado público pelas três organizações.

O canídromo de Macau tem motivado protestos internacionais, com organizações de todo o planeta a considerá-lo "o pior do mundo", denunciando que nenhum cão sai vivo daquele espaço.

Em novembro do ano passado, o Governo de Macau decidiu prolongar até dezembro de 2016 a licença para a exploração do canídromo à Companhia de Corridas de Galgos Macau (Yat Yuen), que faz parte do universo da Sociedade de Turismo e Diversões de Macau (STDM), fundada por Stanley Ho.

A concessão de exploração do canídromo terminava em dezembro do ano passado e o Governo de Macau decidiu renová-la temporariamente, depois de pedir um estudo sobre esta matéria cujas conclusões só serão conhecidas dentro de meses.

Os galgos que correm em Macau eram maioritariamente importados da Austrália, que deixou de vender cães para o território no final do ano passado, na sequência da campanha internacional que denunciou as condições do canídromo, segundo as associações de defesa dos animais envolvidas.

Só há agora dois países que podem vender galgos ao canídromo de Macau: Inglaterra e Irlanda, segundo as mesmas organizações.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho.