sicnot

Perfil

Mundo

Atos contra muçulmanos em França triplicaram em 2015

Os atos contra muçulmanos em França triplicaram em 2015, ano dos atentados jihadistas de janeiro e de novembro, indicou hoje a comissão nacional francesa de direitos humanos.

© Vincent Kessler / Reuters

As denúncias apresentadas por atos racistas, antissemitas e antimuçulmanos aumentaram 22,4 por cento, passando de 1.662 em 2014 para 2.034 em 2015, o que a comissão qualifica de "importante aumento".

Na análise detalhada, a comissão registou mais do triplo de incidentes antimuçulmanos, que passaram de 133 em 2014 para 429 em 2015, um aumento de 223%, com "dois picos" registados nos dias seguintes aos atentados de 07 de janeiro e aos de 13 de novembro na capital francesa.

França acolhe uma comunidade muçulmana estimada em 04 a 05 milhões de pessoas.

Os atos antissemitas registaram uma quebra de 5,1%, tendo passado de 851 em 2014 para 808 em 2015, e os restantes atos racistas aumentaram 17,5%, passando de 678 em 2014 para 797 em 2015.

"Esta é apenas a criminalidade visível, estamos muito longe do que é a criminalidade real. O racismo do dia a dia é infinitamente mais subtil", explicou Christine Lazerges, presidente da comissão, que desde os anos 1990 elabora um relatório anual sobre a luta contra o racismo, o antissemitismo e a xenofobia com base em dados do Ministério do Interior.

"Vários indicadores vão no sentido de um recuo do antissemitismo em França, especialmente em 2015, sugerindo que a violência dos atos contra os judeus, entre as quais o ataque de janeiro a um supermercado kosher, suscita na opinião pública um reflexo de compaixão e de solidariedade para com eles", lê-se no relatório da Comissão Nacional Consultiva de Direitos Humanos (CNCDH).

Apesar disso, acrescenta-se, "a persistência de velhos preconceitos antissemitas e a violência de que os judeus são vítimas convidam à prudência" na interpretação dos números.

Os judeus, que representam menos de 01% da população francesa, foram alvo de 40% dos atos racistas cometidos no país em 2015, contra 51% em 2014.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por avalanche em Itália
    1:44
  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.