sicnot

Perfil

Mundo

Atos contra muçulmanos em França triplicaram em 2015

Os atos contra muçulmanos em França triplicaram em 2015, ano dos atentados jihadistas de janeiro e de novembro, indicou hoje a comissão nacional francesa de direitos humanos.

© Vincent Kessler / Reuters

As denúncias apresentadas por atos racistas, antissemitas e antimuçulmanos aumentaram 22,4 por cento, passando de 1.662 em 2014 para 2.034 em 2015, o que a comissão qualifica de "importante aumento".

Na análise detalhada, a comissão registou mais do triplo de incidentes antimuçulmanos, que passaram de 133 em 2014 para 429 em 2015, um aumento de 223%, com "dois picos" registados nos dias seguintes aos atentados de 07 de janeiro e aos de 13 de novembro na capital francesa.

França acolhe uma comunidade muçulmana estimada em 04 a 05 milhões de pessoas.

Os atos antissemitas registaram uma quebra de 5,1%, tendo passado de 851 em 2014 para 808 em 2015, e os restantes atos racistas aumentaram 17,5%, passando de 678 em 2014 para 797 em 2015.

"Esta é apenas a criminalidade visível, estamos muito longe do que é a criminalidade real. O racismo do dia a dia é infinitamente mais subtil", explicou Christine Lazerges, presidente da comissão, que desde os anos 1990 elabora um relatório anual sobre a luta contra o racismo, o antissemitismo e a xenofobia com base em dados do Ministério do Interior.

"Vários indicadores vão no sentido de um recuo do antissemitismo em França, especialmente em 2015, sugerindo que a violência dos atos contra os judeus, entre as quais o ataque de janeiro a um supermercado kosher, suscita na opinião pública um reflexo de compaixão e de solidariedade para com eles", lê-se no relatório da Comissão Nacional Consultiva de Direitos Humanos (CNCDH).

Apesar disso, acrescenta-se, "a persistência de velhos preconceitos antissemitas e a violência de que os judeus são vítimas convidam à prudência" na interpretação dos números.

Os judeus, que representam menos de 01% da população francesa, foram alvo de 40% dos atos racistas cometidos no país em 2015, contra 51% em 2014.

Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59