sicnot

Perfil

Mundo

Novos ataques aéreos em Alepo

Novos ataques aéreos atingiram hoje a cidade síria de Alepo, numa altura em que o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, está em Genebra para tentar novas negociações entre as partes envolvidas no conflito.

reuters

Ataques aéreos no leste de Alepo, controlado por rebeldes, fizeram-se sentir nas primeiras horas do dia, sem que haja ainda informação sobre eventuais vítimas, de acordo com relatos do correspondente da agência AFP.

Vários bairros, incluindo o densamente povoado Bustan al-Qasr, foram atingidos. Não é claro se os ataques foram conduzidos por aviões sírios ou russos.

O bombardeamento dos rebeldes às zonas oeste da cidade, controladas pelo Governo, no domingo, resultou na morte de três civis, incluindo uma criança, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

Mais de uma semana de combates na segunda cidade da Síria causaram a morte de centenas de civis.

A violência crescente em Alepo e arredores ameaça o processo de paz, apoiado pela ONU, e o frágil acordo de cessar-fogo.

Kerry aterrou em Genebra no domingo para negociações com os ministros árabes e com o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura.

"Estamos a falar diretamente com os russos, mesmo agora", disse Kerry.

Alepo ficou inicialmente de fora de um acordo para reativar uma trégua de 27 de fevereiro entre o Governo e os rebeldes não-'jihadistas'.

A suspensão dos combates, anunciada na sexta-feira, aplica-se às frentes de batalha na província costeira de Latakia e em Ghouta oriental, perto de Damasco.

No domingo, o chefe do centro de coordenação russo na Síria disse que negociações para incluir Alepo tinham começado.

"Decorrem atualmente negociações para estabelecer um 'regime de silêncio' na província de Alepo", disse às agências russas o general Sergei Kuralenko.

Mais de 270 mil pessoas morreram desde o início do conflito sírio em março de 2011

  • Viver em Évora
    5:11
  • Projeto piloto no Porto com o objetivo de detetar Ambliopia em crianças
    1:16

    País

    São resultados que dizem respeito apenas ao Grande Porto, mas que podem dar uma ajuda para traçar o panorama nacional: 13% das crianças que participaram num rastreio à saúde visual tiveram de ser encaminhadas para consultadas da especialidade. O projeto piloto foi implementado em quatro concelhos do norte do país, mas pode ser alargado.