sicnot

Perfil

Mundo

O que é bom para o coração é bom para o cérebro

A máxima "mente sã em corpo são" parece realmente fazer sentido. Resultados de um estudo realizado nos Estados Unidos concluíram que os esforços para manter o coração saudável, traziam também benefícios para as funções cerebrais.

Fazer exercício com regularidade é um dos conselhos habituais para a manutenção de uma vida saudável.

Fazer exercício com regularidade é um dos conselhos habituais para a manutenção de uma vida saudável.

© Lucy Nicholson / Reuters

Uma investigadora da Universidade de Miami, Hannah Gardener, deu seguimento a uma pesquisa alargada que está a ser realizada em Manhattan (NOMAS) e que pretende analisar o risco de ataque cardíaco entre a população branca, negra e hispânica residente em Washington Heights, a norte desta zona da periferia de Nova Iorque.

Os cientistas estudaram com idades entre os 60 e os 70, realizaram testes de memória que repetiram seis anos mais tarde para registarem os efeitos que um estilo de vida mais saudável para o coração poderia ter também para o cérebro.

Este estudo foi realizado em mais de mil pessoas que tinham problemas cardiovasculares e tentou pôr em práticas os sete princípios para uma vida saudável, divulgados pela American Heart Association. Para a promoção da saúde cardíaca, esta associação aconselha: alimentação saudável, manutenção de um peso adequado, deixar de fumar, realizar exercício com regularidade, controlar a pressão arterial, vigiar o colesterol e o nível de açúcar no sangue.

A equipa de Hannah Gardener submeteu a população em estudo a testes de memória, capacidade de planificação, rapidez de resposta mental e resolução de diversos problemas. Os resultados permitiram concluir que os que tinham um melhor desempenho a nível cardiovascular, tinham também uma melhor performance nos testes mentais.

Os mesmos testes realizados aos mesmo indivíduos, anos mais tarde, mostraram que os benefícios a nível cerebral de um estilo de vida saudável para o coração perduravam no tempo.

"Quando observamos as alterações na saúde cerebral ao longo do tempo, verifica-se um declínio muito reduzido em vários domínios cognitivos", explicou Hannah Gardener à rádio norte-americana NPR - National Public Radio.

  • Porque é que se dorme pior num local desconhecido?

    O sono e a saúde

    Dormir num espaço que não é familiar significa, para a maioria das pessoas, uma noite mal dormida. A explicação está no facto de durante o sono num local desconhecido o hemisfério esquerdo do cérebro permanecer alerta para situações de perigo, concluiu um estudo norte-americano.

  • Cérebro sob efeito do LSD idêntico ao de um bebé

    Mundo

    Um investigação britânica mostra pela primeira vez como o LSD (Dietilamida do Ácido Lisérgico) afeta a atividade do cérebro ao causar complexas alucinações visuais. Os cientistas realizaram experiências que mostram como os componentes psicadélicos afetam a atividade cerebral. Uma das conclusões foi que os efeitos do LSD tornam o cérebro de um adulto idêntico ao de um bebé, dado que a droga torna o cérebro menos compartimentado, libertando a mente. Os autores desta pesquisa consideram que os resultados permitem abrir caminho para a possibilidade de usar drogas psicadélicas no tratamento de doenças psiquiátricas.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.