sicnot

Perfil

Mundo

Vinho tinto e chocolate fazem bem aos intestinos

O vinho tinto, o chocolate e o café aumentam a diversidade de bactérias nos intestinos, benéfica para a saúde. É o que sugerem dois estudo publicados na Science, que representam a maior investigação até à data sobre as bactérias que vivem nos intestinos.

Investigadores da Bélgica e da Holanda analisaram as fezes de milhares de voluntários, mapearam as espécies de bactérias que vivem nos seus intestinos e associaram-nas a alguns fatores do estilo de vida.

Os cientistas esperam vir a conseguir usar estes micróbios para diagnosticar e tratar doenças que, aparentemente, estarão relacionadas com as bactérias intestinais.

Jeroen Raes, do Instituto para a Biotecnologia da Flandres, que liderou um dos estudos, acredita que as bactérias intestinais - fortemente influenciadas pela dieta. sãor muito diferentes nos países ocidentais.

Na investigação holandesa, da Universidade de Groningen, verificou-se que alguns laticínios como o iogurte e o leitelho aumentam a diversidade das bactérias intestinais, ao passo que os produtos ricos em gordura tendem a diminuí-la.

Em moderação, consumir vinho tinto e chocolate aumenta esta diversidade que, quanto maior for, melhor nos faz à saúde, explica Alexandra Zhernakova, da Universidade de Groningen.

Por outro lado, diz, alguns medicamentos (antibióticos, antihistamínicos, hormonas e anti-inflamatórios) diminuem a diversidade de bactérias.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.