sicnot

Perfil

Mundo

Classe executiva gera fúria a bordo, conclui estudo

A divisão por "classes" nos aviões pode desencadear reações perigosas nos passageiros e aumentar a probabilidade de incidentes a bordo, na classe económica. É o que sugere um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

REUTERS

O estudo incluiu dados de uma grande transportadora aéra internacional, ao longo de vários anos e milhares de voos.

Apesar dos incidentes comportamentais a bordo serem raros, explica uma das autoras do estudo, há alguns padrões que foram registados. Segundo os autores da investigação, a existência de executiva é um fator bastante mais importante para o sentimento de raiva do que outros, como o espaço entre assentos, os atrasos ou a limpeza do avião.

O estudo sugere às companhias algumas medidas para esbater os sentimentos de diferença entre as classes executiva e turística, entre elas, por exemplo, não deixar que os passageiros estejam na fila das casas de banho se as da executiva estiverem vazias.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.