sicnot

Perfil

Mundo

Classe executiva gera fúria a bordo, conclui estudo

A divisão por "classes" nos aviões pode desencadear reações perigosas nos passageiros e aumentar a probabilidade de incidentes a bordo, na classe económica. É o que sugere um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

REUTERS

O estudo incluiu dados de uma grande transportadora aéra internacional, ao longo de vários anos e milhares de voos.

Apesar dos incidentes comportamentais a bordo serem raros, explica uma das autoras do estudo, há alguns padrões que foram registados. Segundo os autores da investigação, a existência de executiva é um fator bastante mais importante para o sentimento de raiva do que outros, como o espaço entre assentos, os atrasos ou a limpeza do avião.

O estudo sugere às companhias algumas medidas para esbater os sentimentos de diferença entre as classes executiva e turística, entre elas, por exemplo, não deixar que os passageiros estejam na fila das casas de banho se as da executiva estiverem vazias.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.