sicnot

Perfil

Mundo

Classe executiva gera fúria a bordo, conclui estudo

A divisão por "classes" nos aviões pode desencadear reações perigosas nos passageiros e aumentar a probabilidade de incidentes a bordo, na classe económica. É o que sugere um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

REUTERS

O estudo incluiu dados de uma grande transportadora aéra internacional, ao longo de vários anos e milhares de voos.

Apesar dos incidentes comportamentais a bordo serem raros, explica uma das autoras do estudo, há alguns padrões que foram registados. Segundo os autores da investigação, a existência de executiva é um fator bastante mais importante para o sentimento de raiva do que outros, como o espaço entre assentos, os atrasos ou a limpeza do avião.

O estudo sugere às companhias algumas medidas para esbater os sentimentos de diferença entre as classes executiva e turística, entre elas, por exemplo, não deixar que os passageiros estejam na fila das casas de banho se as da executiva estiverem vazias.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.