sicnot

Perfil

Mundo

Grávidas vacinadas contra a gripe transmitem defesas aos filhos até aos 6 meses

Os bebés não podem ser vacinados contra a gripe até aos 6 meses, apesar da doença continuar a ser causa de morte em crianças pequenas. Há, no entanto, uma forma de as mães protegerem os seus filhos da gripe no primeiro meio ano de vida. Um estudo concluiu que filhos de mães vacinadas contra a gripe sazonal tinham 70% menos probabilidade de contrair a doença do que os bebés de progenitoras que não tinham sido vacinadas.

© Romeo Ranoco / Reuters (Arquivo)

"Grávidas imunes à gripe transmitem imunidade ao bebé através da placenta", explicou Julie H. Shakib, uma das autoras deste estudo da Academia Americana de Pediatria e professora na Universidade de Utah, nos Estados Unidos.

Shakib esclareceu ainda que "a imunidade das mães e de outras pessoas que vivam com a criança ou ajudem a cuidar dela previnem a gripe e a consequente e provável transmissão da doença ao bebé". Este conceito, designado pelos investigadores por "cocooning", contribui também, para reduzir o risco de gripe nos bebés até aos 6 meses.

A investigação não conseguiu ainda esclarecer quais dos processos contribuirá mais para proteger as crianças da gripe no primeiro meio ano de vida. O certo é que a vacinação da mulher durante a gravidez contribui para a redução do número de hospitalizações e complicações severas nas crianças vítimas de gripe.

  • Bebés que gatinham há mais tempo são mais cautelosos

    País

    Uma equipa de investigadoras portuguesas verificou que os bebés que gatinhavam há, pelo menos, seis semanas eram mais cautelosos perante o perigo do que os que tinham essa experiência há menos tempo. "As crianças que já gatinham bem e há mais tempo tomam decisões mais acertadas ao gatinhar", evitando mais situações de risco, disse à agência Lusa a investigadora Rita Cordovil, uma das autoras do estudo da Faculdade de Motricidade Humana.

  • Cérebro sob efeito do LSD idêntico ao de um bebé

    Mundo

    Um investigação britânica mostra pela primeira vez como o LSD (Dietilamida do Ácido Lisérgico) afeta a atividade do cérebro ao causar complexas alucinações visuais. Os cientistas realizaram experiências que mostram como os componentes psicadélicos afetam a atividade cerebral. Uma das conclusões foi que os efeitos do LSD tornam o cérebro de um adulto idêntico ao de um bebé, dado que a droga torna o cérebro menos compartimentado, libertando a mente. Os autores desta pesquisa consideram que os resultados permitem abrir caminho para a possibilidade de usar drogas psicadélicas no tratamento de doenças psiquiátricas.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.