sicnot

Perfil

Mundo

John Kerry adverte Assad para respeitar cessar-fogo

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, advertiu hoje o Presidente sírio, Bashar al-Assad, que haverá "repercussões" se o seu regime não respeitar o novo cessar-fogo que está a ser negociado entre Washington e Moscovo.

© Joshua Roberts / Reuters

"Se Assad não aceitar haverá certamente repercussões e uma delas pode ser a destruição total do cessar-fogo e o regresso à guerra na Síria", afirmou Kerry, falando aos jornalistas em Washington.

"Não creio que a Rússia queira isso e não creio que Assad possa beneficiar disso", acrescentou o chefe da diplomacia norte-americana, que regressou de Genebra, onde tentou na segunda-feira salvar o cessar-fogo declarado a 27 de fevereiro.

Kerry afirmou que as equipas que estão a negociar a transição na Síria esperam conseguir resultados "nas próximas horas" para "restaurar" o cessar-fogo em todo o país e em particular em Alepo e o acesso total de ajuda humanitária a civis.

Há mais de uma semana que Alepo, a maior cidade do norte da Síria, tem sido cenário de uma vaga de violência que já fez 279 mortos em bombardeamentos aéreos e disparos de artilharia.

"Atualmente estamos a trabalhar a sério para tentar repor o cessar-fogo para proteger a integridade de Alepo", acrescentou Kerry.

Moscovo declarou também esperar um cessar-fogo "nas próximas horas" em Alepo, onde os combates de hoje fizeram 19 mortos, atingindo de novo instalações médicas.

"Não há nenhuma justificação para ataques a civis ou a instalações médicas", disse Kerry depois de ter condenado o ataque que atingiu de novo este tipo de instalações, o sexto na cidade em menos de uma semana, segundo o Comité Internacional da Cruz Vermelha.

Lusa

  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.