sicnot

Perfil

Mundo

ONU alerta que operação militar em curso no Iraque pode deslocar 30 mil civis

A operação militar iraquiana em curso contra o Daesh no norte do Iraque pode levar à fuga de 30.000 civis nas próximas semanas, alertou hoje a agência da ONU para os refugiados.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Thaier Al-Sudani / Reuters

Forças iraquianas e curdas apoiadas pela coligação liderada pelos Estados Unidos lançaram uma ofensiva em março na província de Nineveh, cuja capital, Mossul, é controlada pelo Daesh.

As forças ainda estão a cerca de 50 quilómetros a sul de Mossul, segunda maior cidade do Iraque, mas os confrontos já levaram à fuga de milhares de civis.

Um campo de refugiados em Debaqa, a leste de Makhmur, a principal zona de combates, já acolhe 8.000 pessoas, segundo o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR).

A agência abriu esta semana outro campo, na mesma zona, "em resposta ao número crescente de famílias recém-deslocadas".

"Cerca de 30.000 novos deslocados podem chegar a Makhmur nas próximas semanas com a continuação da ofensiva militar", afirmou num comunicado.

"O novo campo vai ajudar a aliviar a sobrelotação a que temos assistido desde os últimos combates", disse o chefe da unidade de resposta do ACNUR no terreno, Fred Cussigh.

Segundo algumas estimativas, cerca de um milhão de civis ainda vive em Mossul, principal bastião do Estado Islâmico no Iraque desde junho de 2014.

Desde o início desse ano foram registados 3,4 milhões de deslocados no Iraque.

Com Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão