sicnot

Perfil

Mundo

ONU exige proteção de hospitais em zonas de guerra

O Conselho de Segurança da ONU aprovou hoje por unanimidade uma resolução que reitera o imperativo de proteger hospitais e médicos em zonas de guerra, na sequência de vários ataques a pessoal médico em conflitos armados.

© Abdalrhman Ismail / Reuters

Na resolução, o órgão máximo das Nações Unidas evoca as normas internacionais que protegem os serviços de saúde nas guerras e a responsabilidade de todas as partes de as cumprir.

O texto foi aprovado depois de ataques a hospitais na Síria, no Iémen ou no Afeganistão e sublinha que tais ataques podem constituir crimes de guerra.

A resolução foi apresentada por quatro membros não-permanentes do Conselho de Segurança -- Egito, que preside ao órgão em maio, Espanha, Nova Zelândia e Uruguai.

"Uma das razões para ser adotada é a multiplicação dos ataques contra hospitais na Síria", disse à imprensa o embaixador de França, François Delattre.

A resolução, acrescentou, vai "permitir lutar contra a impunidade face aos horrores de que são vítimas os hospitais e o pessoal médico nos conflitos armados".

Entre os incidentes recentes figuram o bombardeamento na semana passada de um hospital em Alepo, nordeste da Síria, que fez 25 mortos, e o bombardeamento há seis meses de um hospital do norte do Afeganistão, que fez 42 mortos.

A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou recentemente que 94 hospitais e clínicas a que dá apoio na Síria e três no Iémen foram atacados nos últimos seis meses.

A resolução, que não refere casos concretos, é a primeira a incidir especificamente sobre ataques a hospitais, apesar de o Conselho de Segurança criticar frequentemente este tipo de ataque em textos mais gerais.

Nela o Conselho "condena com firmeza os atos de violência" contra doentes e feridos, pessoal médico e pessoal humanitário "exclusivamente envolvido em ações médicas", assim como contra os seus meios de transporte e edifícios onde prestam cuidados.

A resolução "exige que todas as partes num conflito armado respeitem plenamente as suas obrigações à luz do direito internacional" e "pede insistentemente" aos beligerantes que "adotem medidas eficazes para prevenir" tais atos e para proteger o pessoal médico e humanitário.

Quando há incidentes, os Estados membros devem realizar investigações rápidas e imparciais e responsabilizar os culpados, acrescenta o texto, que denuncia a "impunidade prevalecente".

O embaixador neo-zelandês, Gerard van Bohemen, explicou que o objetivo é fundamentalmente "continuar a apontar os projetores" para esta realidade, para o que a resolução pede ao secretário-geral da ONU que apresente ao Conselho um relatório anual sobre a aplicação da resolução.

Lusa

  • Novos ataques aéreos em Alepo

    Mundo

    Novos ataques aéreos atingiram hoje a cidade síria de Alepo, numa altura em que o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, está em Genebra para tentar novas negociações entre as partes envolvidas no conflito.

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.