sicnot

Perfil

Mundo

Renamo exige investigação internacional a descoberta de 15 corpos no centro de Moçambique

A Renamo, principal partido de oposição em Moçambique, defendeu hoje uma investigação internacional à descoberta de pelo menos 15 corpos, na Gorongosa, centro do país, assinalando que o país está em guerra e precisa de mediação do exterior.

Corpos encontrados em vala comum na Gorongosa, Moçambique

Corpos encontrados em vala comum na Gorongosa, Moçambique

LUSA

"Lamentamos essa atrocidade e achamos que as organizações internacionais de defesa dos direitos humanos devem fazer uma investigação ao local, para o apuramento dos factos", afirmou, em declarações à Lusa, o porta-voz da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), António Muchanga.

Para Muchanga, apenas uma investigação internacional pode trazer luz à verdade, alegando que as entidades nacionais estão submissas ao Governo.

"A maioria das nossas organizações de defesa dos direitos humanos estão em silêncio e só agirão por ordens do Governo", destacou o porta-voz da Renamo.

António Muchanga assinalou que a Renamo tem relatado o suposto desaparecimento de membros do seu partido nas províncias do centro do país, incluindo na província de Sofala, onde se situa o distrito de Gorongosa, declarando que o país está em guerra.

"Para a Renamo, se há forças governamentais a praticar ações armadas, estamos numa situação de guerra", acusou Muchanga.

Comentando a deslocação no fim de semana do Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, à Comunidade de Santo Egídio, onde abordou a instabilidade militar no país, o porta-voz da Renamo afirmou que a Igreja Católica e a União Europeia são entidades idóneas para mediar o conflito armado em Moçambique.

"Já dissemos e reiteramos que a Igreja Católica e a União Europeia já demonstraram no passado seriedade e idoneidade para mediar conflitos", enfatizou António Muchanga, cujo partido defende também a participação do chefe de Estado sul-africano, Jacob Zuma, na mediação da crise política e militar no país.

Pelo menos 15 corpos estão visíveis, espalhados ao abandono na região da Gorongosa, perto de uma vala comum denunciada por camponeses, numa zona fortemente vigiada por militares, testemunhou a Lusa no local.

A presença dos militares não permite o acesso à vala comum onde, segundo camponeses, se encontram mais de cem corpos, mas é visível uma dezena e meia de cadáveres nas imediações, espalhados pelo mato e alguns deles despidos.

Dos 15 corpos encontrados por um pequeno grupo de jornalistas no local, quatro foram largados numa pequena savana, a cerca de 200 metros do cruzamento de Macossa para o interior, e os outros foram deixados debaixo de uma ponte próxima da Estrada Nacional 1, a principal estrada de Moçambique.

O local onde foram depositados estes corpos fica a seguir à ponte sobre o rio Muare, no sentido Gorongosa-Caia, e onde se tem feito, ainda que de forma tímida, extração ilegal de ouro.

Os cadáveres são de mulheres e homens jovens, uns deixados recentemente no lugar e outros sem roupas, entre a presença de abutres.

As autoridades locais desmentiram a existência da vala comum, denunciada à Lusa por camponeses na quinta-feira.

Mas as testemunhas reiteram a sua versão. "É verdade, vimos os corpos", afirmou um dos camponeses, que não se quis identificar, contando que o grupo em que seguia foi atraído pelo forte cheiro de putrefação exalado pelos cadáveres.

A polícia de Sofala anunciou, na sexta-feira, que vai iniciar uma investigação para apurar a veracidade da descoberta.

Apesar do desmentido, a Comissão de Direitos Humanos de Moçambique quer apurar a veracidade dos relatos, adiantado que, a confirmarem-se, é um caso "muito preocupante" e instando o Ministério Público a investigar.

Também o líder do terceiro partido moçambicano no parlamento, Movimento Democrático de Moçambique (MDM), exige o envolvimento da justiça e da Assembleia da República no esclarecimento da denúncia dos camponeses.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.