sicnot

Perfil

Mundo

Vírus Ébola permanece até 12 meses no esperma de sobreviventes

O vírus Ébola mantém-se no esperma de sobreviventes à infeção até 12 meses após a sua cura, segundo um novo estudo realizado na Guiné-Conacri que confirma anteriores levados a cabo na Serra Leoa.

Espermatozóide humano.

Espermatozóide humano.

M-H Perrard

Neste estudo, publicado na revista médica Journal of Infectious Diseases, investigadores franceses e guineenses acompanharam durante um ano 450 doentes curados, nos quais efetuaram colheita de fluidos corporais (lágrimas, saliva, fezes, urina, fluidos vaginais e esperma).

Realizaram, mais precisamente, 98 recolhas de esperma em 68 homens. O vírus Ébola foi detetado em oito deles, passados nove meses sobre a sua cura.

Os investigadores demonstraram igualmente que a persistência do vírus no líquido seminal diminuía com o tempo: o vírus estava presente em 28,5% das amostras recolhidas entre o primeiro e o terceiro meses, em 16% das efetuadas entre o quarto e o sexto meses e em 6,5% daquelas cujas colheitas ocorreram entre o sétimo e o nono meses após terem sido declarados curados da infeção.

Entre o 10.º e o 12.º meses, o vírus já só estava presente em 3,5% das amostras, antes de desaparecer totalmente ao fim de um ano.

É a segunda vez que um estudo mostra que restos do vírus podem ficar durante um longo período de tempo no organismo das pessoas curadas, o que representa um perigo para os cônjuges, que poderão contaminar.

Um estudo realizado na Serra Leoa e publicado em outubro demonstrava já que perto de 26% dos homens cujo esperma fora testado entre sete e nove meses após a cura da infeção apresentava ainda resultado positivo para a presença do vírus.

O Ébola devastou três países da África Ocidental (Serra Leoa, Libéria e Guiné-Conacri) desde o fim de 2013, infetando quase 25.000 pessoas e fazendo mais de 11.000 mortos.

Estes resultados "sublinham a necessidade de recomendar, ao nível internacional, a utilização de preservativos pelos sobreviventes nos meses seguintes à cura", defendeu hoje o Instituto de Investigação para o Desenvolvimento, que realizou o estudo na Guiné-Conacri em colaboração com o Inserm (Instituto Nacional da Saúde e da Investigação Médica francês) e o Instituto Pasteur.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Pensões vão subir em janeiro

    Economia

    As pensões vão subir entre 1 e 1,8% em janeiro próximo. O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou esta quinta-feira o valor da inflação, que vai definir a atualização das reformas em 2018.

  • Investigação australiana recomenda fim do celibato na Igreja Católica

    Mundo

    Uma investigação australiana sobre abuso sexual de crianças recomendou hoje à Igreja Católica que levante a exigência de celibato ao clero, de acordo com o relatório final. O mesmo documento, com 189 recomendações e 17 volumes, indicou que deve também ser esclarecido até onde vai o segredo da confissão quando estão em causa provas de crimes contra menores.

  • Trabalhos de estabilização de solos nas áreas ardidas começam na Lousã
    1:24

    País

    Vários concelhos afetados pelos incêndios estão a começar a receber uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas. O trabalho arrancou esta quinta-feira na zona da Lousã e tem como objetivo reduzir o impacto da chuva nos terrenos afetados pelos fogos. Nos trabalhos, estão presentes o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro e a Força Especial de Bombeiros.

  • Anúncio de lince ibérico no OLX sob investigação
    1:25

    País

    A GNR está a investigar um anúncio de venda de um lince ibérico no site de classificados OLX. As autoridades admitem poder tratar-se de uma bricandeira, mas sendo o lince uma espécie protegida e a sua captura e venda um crime, o caso está a ser investigado. O anúncio foi entretanto retirado do site.