sicnot

Perfil

Mundo

Dezassete escolas incendiadas por manifestantes na África do Sul

Pelo menos 17 escolas foram incendiadas esta semana na África do Sul, durante violentas manifestações contra a redistribuição eleitoral dos municípios, a três meses de eleições autárquicas de alto risco para o Governo.

© Siphiwe Sibeko / Reuters

© Siphiwe Sibeko / Reuters

© Siphiwe Sibeko / Reuters

© Siphiwe Sibeko / Reuters

"Até agora, 17 escolas sofreram danos (causados pelo fogo), duas delas ficaram completamente destruídas", declarou o porta-voz do ministério da Educação sul-africano, Elijah Mhlanga, citado pela agência de notícias francesa AFP.

A destruição destas escolas priva 26.000 alunos de aulas, precisou Mhlanga.

Segundo a polícia, além das 17 escolas incendiadas, outras cinco foram vandalizadas.

As manifestações começaram na segunda-feira à noite em três aldeias da província de Limpopo, no norte da África do Sul.

Os residentes das localidades opõem-se à associação das suas aldeias a uma nova metrópole, em consequência de uma redistribuição eleitoral com vista às eleições autárquicas de 03 de agosto no país.

Uma esquadra local, o gabinete de um líder tradicional e uma estação de correios foram igualmente incendiados na localidade de Vuwani, precisou o porta-voz da polícia, Malesela Ledwaba.

Os distúrbios estenderam-se em seguida às aldeias vizinhas de Levubu e Hlanganani.

Manifestantes bloquearam as ruas com pedras, pneus em chamas e barricadas construídas com tubos e barras de metal. Ninguém foi ainda detido.

Hoje, o Presidente sul-africano, Jacob Zuma, condenou a violência, sugerindo que houve outras motivações por detrás destes estragos.

"É simplesmente chocante, não estamos a falar de uma escola ou duas, mas de 17 escolas! É suspeito e espero que o país preste atenção a isto", declarou Zuma no parlamento, numa referência implícita ao líder dos Combatentes pela Liberdade Económica (EFF), Julius Malema, originário daquela província.

No dia anterior, deputados do Partido Radical, na oposição, tinham sido expulsos do hemiciclo quando tentavam impedir o chefe de Estado de falar.

Julius Malema declarou no fim de abril, numa entrevista à Al-Jazira, que iria "em breve perder a paciência" e "fazer sair o Governo, de arma apontada".

A polícia afirmou hoje que a calma regressou à região de Limpopo.

Atos de violência deste tipo são cada vez mais frequentes na África do Sul em vésperas de eleições e estão muitas vezes ligados à ausência de serviços públicos nas zonas rurais.

Desta vez, os protestos violentos ocorreram a três meses das autárquicas, que funcionarão como um teste para o partido no poder, o Congresso Nacional Africano (ANC).

Uma parte da população sul-africana considera que o ANC, no poder desde o fim do regime racista do apartheid em 1994, não fez o suficiente para combater as desigualdades no país.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • "A isto chama-se pura hipocrisia"
    1:13

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho classifica a atuação do Governo na gestão da Caixa Geral de Depósitos como um "manual de cinismo político insuportável", declarações feitas pelo líder do PSD durante a reunião do Conselho Nacional em Lisboa.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.