sicnot

Perfil

Mundo

Dhlakama gostaria de jantar com Marcelo mas está "impossibilitado"

O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, gostaria de jantar e trocar impressões com o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, mas está impossibilitado, disse à Lusa a chefe da bancada parlamentar do partido da oposição.

"Das razões que muito bem se sabe ele está na Gorongosa [centro] impossibilitado de poder estar aqui [Maputo] e cumprimentar o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa e isso cria algum constrangimento", afirmou Ivone Soares, acrescentado que a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) gostaria que o encontro acontecesse "não só pelo jantar em si mas para trocarem impressões".

A líder parlamentar e também sobrinha do presidente da Renano referia-se ao conflito entre o braço armado do seu partido e as forças do Governo na região centro do país e que mantém Dhlakama presumivelmente na região da Gorongosa desde o final de 2015.

"O presidente Dhlakama é um homem que de longa data sempre teve uma relação de muito afeto com os portugueses e com Portugal e sempre defendeu a amizade e fortificação das relações bilaterais", observou Ivone Soares, que falava à margem de uma visita de Marcelo Rebelo de Sousa ao parlamento moçambicano.

Afonso Dhlakama consta da lista de convidados para o jantar que Marcelo Rebelo de Sousa oferece na sexta-feira em Maputo, tendo a SIC adiantado que o seu nome foi indicado para a lista de convidados pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi.

Fontes diplomáticas confirmaram à Lusa que o líder da Renamo está entre os 50 convidados indicados pelo Governo de Moçambique para o jantar oferecido por Portugal, assim como o líder do terceiro partido da oposição, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), Daviz Simango.

Para o jantar de sexta-feira, o último ponto de agenda da visita de Estado de Marcelo Rebelo de Sousa a Moçambique, cabe a Portugal indicar os convidados portugueses e a Moçambique os convidados moçambicanos, disseram as mesmas fontes.

Contudo, uma dessas fontes desvalorizou a indicação do nome de Dhlakama, considerando que, por razões protocolares, o líder do maior partido da oposição teria de estar sempre na lista de convidados.

A Renamo não reconheceu o resultado das eleições de 2014, ganhas oficialmente pela Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), e ameaça governar pela força nas seis províncias em que reclama vitória nas urnas.

A situação política e militar degradou-se acentuadamente nas últimas semanas, envolvendo confrontos entre Governo e Renamo.

Marcelo Rebelo de Sousa foi recebido hoje em Maputo pela presidente da Assembleia da República de Moçambique, numa reunião em que estiveram representantes da Frelimo, mas também da Renamo e do MDM.

No final do encontro, Marcelo Rebelo de Sousa salientou essa presença, dirigindo-se para Verónica Macamo: "Vossa excelência quis estar acompanhada de representantes da Renamo, da Frelimo e do MDM, num sinal daquilo que verdadeiramente nós conhecemos também em Portugal, que é na nossa Assembleia da República termos representações de partidos que traduzem a vontade popular".

"A democracia constrói-se todos os dias. Não é uma construção fácil, mas é uma construção necessária, porque a pior das democracias é sempre melhor do que a melhor das ditaduras. E todos os dias se deve lutar para não haver a tentação de regressar à violência, à guerra, à divisão, à ditadura", acrescentou Marcelo Rebelo de Sousa.

Lusa

  • Nyusi convida líder da Renamo para jantar de Estado de Marcelo em Maputo
    2:35

    País

    O líder da Renamo, que está escondido no mato há vários meses, foi convidado pelo Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, para estar no jantar de Estado, oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa, marcado para amanhã. Ao que a SIC apurou, este pode ser um primeiro passo para retomar o diálogo entre a Frelimo e a Renamo. Ontem à noite, também num jantar de Estado, o Presidente português condenou todas as forças políticas que recorrem à violência.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.