sicnot

Perfil

Mundo

Pelo menos sete mortos e 490 feridos no centro da Índia durante celebração hindu

Pelo menos sete pessoas morreram e 40 ficaram feridas hoje durante a festividade hindu Kumbh Mela em Ujjain, centro da Índia, após o derrube de um toldo pelo vento e chuva fortes que atingiram a região, disse fonte policial.

© Jitendra Prakash / Reuters

"Morreram sete pessoas e há 40 feridos", disse à agência noticiosa Efe o inspetor-geral da polícia de Ujjain, V. Madhu Kumar, sem adiantar mais detalhes sobre o derrube do toldo instalado para a oração dos peregrinos.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, através de uma mensagem na rede social Twitter, manifestou-se "angustiado pela perda de vidas devido às fortes chuvas" e exprimiu as suas condolências às famílias e o desejo de rápida recuperação para os feridos.

"Rogo pela segurança e bem-estar de todos os santos, peregrinos e turistas", acrescentou Modi.

A Kumbh Mela é considerada a maior peregrinação do mundo, onde os fiéis se banham em rios sagrados para purificar os seus pecados, e a organização espera uma afluência de 50 milhões de devotos entre abril e maio em Ujjain, onde se celebra este ano o festival rotativo.

A maior concentração é registada em cada 12 anos no rio Ganges perto de Allahabad (norte). Na edição de 2013 compareceram cerca de 100 milhões de pessoas.

Os acidentes são frequentes no decurso das celebrações religiosas na Índia, pelas deficiências da organização e a precaridade das infraestruturas.

No mês passado, 110 pessoas morreram e 500 ficaram feridas num incêndio motivado pela explosão de material pirotécnico num tempo hindu do estado de Kerala (sul), que motivou a detenção de diversos responsáveis da organização.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.