sicnot

Perfil

Mundo

Quatro sobreviventes salvos após seis dias sob escombros de edifício no Quénia

Três mulheres e um homem foram hoje resgatados dos escombros de um edifício que ruiu há seis dias em Nairobi e que já fez pelo menos 33 mortos.

© Stringer . / Reuters

A primeira sobrevivente, localizada hoje de manhã, foi retirada dos escombros a meio da tarde. As outras três pessoas, duas mulheres e um homem, foram resgatados ao princípio da noite.

"Três pessoas foram salvas do edifício há alguns instantes e vão ser transportadas para o hospital", declarou o chefe da polícia de Nairobi, Japheth Koome, citado pela agência de notícias francesa AFP.

"Isto dá-nos esperança de que haja mais pessoas lá debaixo e esperamos tirá-las de lá. Estamos a fazer tudo o que nos é possível", acrescentou.

O balanço da catástrofe é agora de 33 mortos, depois de terem sido encontrados quatro cadáveres na quarta-feira à noite, mas poderá agravar-se uma vez que há ainda perto de 80 desaparecidos.

A Cruz Vermelha ignora, contudo, se todos os desaparecidos se encontravam no edifício no momento do desmoronamento. As buscas foram alargadas à ribeira de Mathare, situada ao lado, temendo as equipas de socorro que os habitantes, tomados pelo pânico, se tenham para lá atirado no momento em que o prédio ruiu.

O edifício de seis andares abateu sobre si mesmo na sexta-feira à noite, no bairro popular de Huruma, no nordeste da capital queniana, devido a chuvas torrenciais e à má qualidade da construção.

As chuvas de sexta-feira provocaram inundações em muitos outros bairros de Nairobi e causaram a morte de pelo menos outras sete pessoas.

Concluído há dois anos, o prédio desabado chegou a ser alvo de uma ordem de demolição, mas a decisão não foi respeitada pelos proprietários, nem aplicada pelas autoridades.

Dois irmãos proprietários do prédio foram detidos e depois libertados sob fiança, enquanto os investigadores tentam reunir provas para uma eventual acusação judicial.

Neste tipo de edifício, cada família ocupa, muitas vezes, apenas uma assoalhada e partilha com os outros as instalações sanitárias do piso.

O prédio tinha 198 divisões, e arrendar aí um quarto custava cerca de 2.500 xelins quenianos por mês (25 euros), o que o colocava no fundo da escala imobiliária em Nairobi.

Vários edifícios desabaram nos últimos anos na capital e noutras cidades do Quénia, em plena onde de euforia imobiliária e de construções em todo o lado.

A qualidade dos materiais e a velocidade excessiva de construção são regularmente questionadas, bem como a capacidade de promotores pouco escrupulosos para contornar a regulamentação por meio do pagamento de subornos.

Lusa

  • Colapso de prédio de seis andares no Quénia

    Mundo

    Um prédio de seis andares ruiu, em Nairobi, e há dezenas de residentes que ficaram soterrados de acordo com relatos da televisão queniana KTN, haverá pelo menos três mortos. As chuvas fortes e cheias que há vários dias atingem a capital do Quénia estão a ser apontados como as causas para que este edifício de apartamentos tenha ruido.

  • Criança resgatada dos escombros do prédio que desabou sexta-feira em Nairobi
    0:47

    Mundo

    Uma criança de 1 ano e meio foi hoje resgatada dos escombros do prédio que desabou em Nairobi, na passada sexta-feira. Mais de 72 horas depois da derrocada, a criança foi encontrada pelas equipas de resgate com sinais de desidratação e foi levada para o hospital. Pelo menos 23 pessoas morreram e mais de 60 continuam desaparecidas na sequência do colapso de um prédio residencial, na capital do Quénia.

  • Encontrada mulher com vida sob os escombros do edifício que desabou em Nairobi
    1:05

    Mundo

    As equipas de resgate no Quénia encontraram uma mulher com vida, seis dias depois do colapso de um prédio na capital, Nairobi. A mulher ainda está presa sob os escombros. As equipas de busca continuam os trabalhos para a libertar. As autoridades atualizaram esta manhã o balanço. O número de mortos subiu para 33. Há ainda 80 pessoas desaparecidas.

  • Costa desvaloriza ameaça e mantém planos de visita a Angola
    2:27

    Economia

    O governo angolano reagiu duramente à acusação do Ministério público portugues contra o vice-presidente de Angola. Luanda diz que a acusação é um sério ataque à República de Angola que pode perturbar as relações entre os dois paises. António Costa desvaloriza a ameaça e mantém os planos de uma visita a Angola na primavera.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Brasil já tirou o "pé do chão"
    1:59

    Mundo

    Já começaram os desfiles e festas de carnaval, no Rio de Janeiro.Esta sexta feira foi o início oficial das celebrações com centenas de milhar de pessoas nas ruas até de madrugada.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato. 

  • Atores de Hollywood contra Trump
    1:44

    Mundo

    Centenas de pessoas juntaram-se em mais um protesto contra o presidente dos Estados Unidos. A manifestação, em Beverly Hills, juntou várias estrelas de Hollywood.