sicnot

Perfil

Mundo

Realidade virtual ajuda a tratar a paranoia

Uma experiência com realidade virtual ajudou várias pessoas com mania da perseguição a ultrapassar esta psicose. Os cientistas britânicos esperam poder assim ajudar muitas pessoas que têm dificuldade em enfrentar situações do dia-a-dia.

As simulações ajudaram os 30 participantes na experiência a enfrentar os seus medos e a mostrar-lhes que as interações sociais que temiam são na realidade seguras.

O programa de computador "obrigava" os doentes a entrar em carruagens de metro ou elevadores com outras pessoas. A um grupo de 15 pessoas era dito para se comportarem com os habituais mecanismos de defesa, como o de evitar o contacto olhos nos olhos com os outros "passageiros". Os outros doentes eram encorajados a baixar as suas defesas e a aproximarem-se dos avatares.

Ao fim da experiência, as pessoas que enfrentaram os seus medos revelaram uma grande diminuição do nível de paranoia. Também no primeiro grupo se notou alguma redução.

"No âmago da paranoia existe a crença infundada de que a pessoa está sob ameaça", explicou à BBC o responsável pela investigação, Daniel Freeman do departamento de Psiquiatria da Universidade de Oxford. "Com a realidade virtual podemos ajudar as pessoas a reaprender que estão seguras e a paranoia acaba por se dissolver", afirmou.

Dados da Universidade de Oxford indicam que entre 1 a 2% da população mundial sofre de paranoia nalgum ponto das suas vidas, geralmente associada a esquizofrenia. Os doentes com esta doença mental têm uma forte desconfiança em relação às outras pessoas e muitas vezes acabam por se isolar em casa para evitar contactos sociais.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.