sicnot

Perfil

Mundo

Antílope do Saara da Nigéria em vias de extinção

O antílope Addax do Saara está em vias de extinção devido à caça furtiva e da perda do habitat em prol da indústria petrolífera, anunciou hoje a União Nacional de Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Sahara Conservation Fund

Uma exaustiva pesquisa aérea e no solo permitiu à IUCN encontrar na selva apenas três antílopes da espécie nesta região da Nigéria, de onde são originários.

"É uma situação desesperada", disse Alessandro Badalotti, coordenador do projeto "Save our Species", organização que integra a IUCN e apoia financeiramente a proteção de espécies em risco iminente de extinção.

"No presente contexto, as espécies estão condenadas ao desaparecimento em estado selvagem", defendeu.

Alessandro Badalotti acrescentou que se houvesse cinco vezes mais antílopes Addax no deserto da Nigéria continuava a ser um número demasiado baixo para garantir uma população autossuficiente.

Sem diversidade genética, a possibilidade de terem crias doentes aumenta consideravelmente, acentuou.

Pesquisas feitas em 2010 concluíram que havia 200 antílopes Addax.

Entretanto, a prospeção petrolífera feita pela Companhia de Petróleo Nacional da China, e a destruição de largas áreas à sua volta, provocaram a redução do habitat do antílope, no qual a espécie se alimenta de ervas e arbustos.

Os militares nigerianos incumbidos de proteger a operação petrolífera também caçaram o antílope reduzindo a esperança de sobrevivência da espécie.

"Foram encontrados oito crânios durante as pesquisas, alguns dos quais perto dos acampamentos", destacou Alessandro Badalotti, concluindo que os militares os mataram para se alimentarem.

A sobrevivência da espécie poderia passar pela coordenação de programas de reprodução em jardins zoológicos.

Lusa

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.