sicnot

Perfil

Mundo

Canadianos enfrentam longa espera até regressarem a cidade envolta por chamas

As dezenas de milhares de pessoas que tiveram de deixar a cidade canadiana de Fort McMurray devido a intensos fogos florestais enfrentam uma longa espera até poderem regressar a casa, indicou o Governo local na quinta-feira.

© Handout . / Reuters

Os danos causados pelas chamas são significativos e não há meio de prever quando os residentes podem regressar à cidade, que foi evacuada, disse a primeira-ministra da província de Alberta, Rachel Notley.

"Infelizmente, sabemos que não é uma questão de dias", lamentou.

Notley reconheceu, durante uma conferência de imprensa, que o incêndio permanece fora de controlo e que assim vai continuar, apesar dos mais de 1.100 bombeiros, 145 helicópteros e 22 aviões cisterna que o estão a combater.

A primeira-ministra de Alberta recordou que as estranhas condições meteorológicas que afetam a província, com temperaturas muito acima do que é normal nesta altura do ano, fazem com que toda a província esteja em condições de risco extremo de incêndio.

O fogo já obrigou 90 mil pessoas a saírem das suas casas, no noroeste do país, e consumiu 85 mil hectares de floresta desde a noite de domingo.

Lusa

  • Incêndio no Canadá já destruiu cerca de duas mil casas
    1:01

    Mundo

    O incêndio florestal em Fort McMurraym, no Canadá, continua fora de controlo. As chamas já destruíram cerca de duas mil casas na cidade no estado de Alberta e mais de 10 mil hectares de floresta. Todos os habitantes foram obrigados a sair das suas casas. Foi declarado o estado de Emergência em toda a província de Alberta.

  • Incêndio no Canadá pode reduzir cidade inteira a cinzas
    1:40

    Mundo

    Um incêndio em Fort McMurray, no Canadá, obrigou mais de 88 mil pessoas a abandonar as casas. Segundo as autoridades, o fogo poderá destruir a cidade inteira. As chamas estão a ser combatidas por centenas de bombeiros, com recurso a aviões e helicópteros. O perigo das chamas obrigou a ser decretado o estado de emergência.

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02