sicnot

Perfil

Mundo

Primeiro-ministro francês diz que Trump é um "mau homem"

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, qualificou hoje o multibilionário Donald Trump, único candidato à nomeação republicana para as eleições presidenciais nos Estados Unidos, como um "pequeno" e "mau homem".

Manuel Valls, primeiro-ministro francês

Manuel Valls, primeiro-ministro francês

© POOL New / Reuters

Valls falava numa entrevista ao canal de televisão Public Sénat que será transmitida hoje à noite, à qual a agência noticiosa francesa AFP teve acesso prévio.

"Olhe o que está a acontecer nos Estados Unidos, temos grandes desafios, mas ao mesmo tempo...", afirmou o primeiro-ministro francês antes de ser interrompido pelo entrevistador que sugere: "Pequenos homens?".

"Sim, sim, sim, sim. Pequenos homens", afirmou Valls.

Quando questionado pelo jornalista se Donald Trump é um pequeno homem, Manuel Valls respondeu de forma positiva.

"Sim, e provavelmente um mau homem", insistiu o primeiro-ministro francês.

Na entrevista, Valls afirmou que o populismo tem crescido ao mesmo tempo que as sociedades democráticas lutam para enfrentar os desafios da globalização e do terrorismo.

"E incluindo em França, deve ser recordado, não damos lições aos outros, também temos esse problema", reconheceu Valls, numa alusão aos resultados eleitorais conquistados pelo partido de extrema-direita Frente Nacional naquele país.

Manuel Valls já tinha anteriormente criticado Trump, atualmente o único candidato à nomeação presidencial pelo Partido Republicano, após a desistência do senador Ted Cruz e do governador John Kasich.

Em dezembro, o primeiro-ministro francês socialista criticou o multibilionário norte-americano e a sua sugestão de impedir o acesso de muçulmanos aos Estados Unidos, escrevendo na rede Twitter que Donald Trump alimentava ódios.

Lusa

  • PSD e CDS assinalam 36º aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro
    1:38

    País

    O presidente do PSD deixou críticas ao Partido Comunista, este domingo, a propósito do aniversário da morte de Francisco Sá Carneiro. Pedro Passos Coelho lembrou os festejos dos comunistas na altura, numa resposta a quem questionou a abstenção dos sociais-democratas ao voto de pesar a Fidel Castro, que o PCP levou ao Parlamento. Este domingo, tanto o PSD como o CDS-PP prestaram homenagem a Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa.