sicnot

Perfil

Mundo

Três militares mortos em emboscada da Renamo

Três militares moçambicanos morreram na quinta-feira no distrito de Tsangano, província de Tete, centro de Moçambique, na sequência de uma emboscada de supostos homens armados da Renamo, principal partido de oposição, noticiou hoje a emissora pública Rádio Moçambique (RM).

Patrulha de militares em Gorongosa, centro de Moçambique.

Patrulha de militares em Gorongosa, centro de Moçambique.

© Grant Neuenburg / Reuters (Arquivo)

Segundo o canal, que veicula a notícia na sua página da Internet, as vítimas faziam parte de um grupo de 11 militares das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), que eram transportadas numa viatura, na localidade de Chiandame, quando sofreram um ataque de alegados membros do braço armado da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo).

Dos distritos de Tsangano e de Moatize, também na província de Tete, fugiram centenas de famílias para o vizinho Malaui, devido a confrontos entre as FADM e homens armados da Renamo.

Cerca de 10 mil moçambicanos estiveram refugiados no Malaui, mais concretamente no campo de Kapise, devido à insegurança no país, havendo, contudo, relatos de regresso a Moçambique por parte de populações deslocadas.

Moçambique tem conhecido nos últimos meses uma escalada militar, no centro do país, devido a confrontos entre as Forças de Defesa e Segurança moçambicanas e homens armados da Renamo, assassínios políticos e ataques em vários troços da principal estrada do país.

A instabilidade política e militar está associada à recusa do principal partido de oposição em aceitar a derrota nas eleições gerais de 2014, e à exigência do movimento de governar em seis províncias onde reivindica vitória no escrutínio.

Lusa

  • Nyusi convida líder da Renamo para jantar de Estado de Marcelo em Maputo
    2:35

    País

    O líder da Renamo, que está escondido no mato há vários meses, foi convidado pelo Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, para estar no jantar de Estado, oferecido por Marcelo Rebelo de Sousa, marcado para amanhã. Ao que a SIC apurou, este pode ser um primeiro passo para retomar o diálogo entre a Frelimo e a Renamo. Ontem à noite, também num jantar de Estado, o Presidente português condenou todas as forças políticas que recorrem à violência.

  • Partidos exigem explicações sobre transferências para offshores entre 2011 e 2014

    Economia

    O PS junta-se ao PCP, o Bloco de Esquerda e o PSD no pedido para a audição urgente do antigo e o atual secretário de Estado dos Assuntos Fiscais sobre a falta de controlo do Fisco às transferências de dinheiro para paraísos fiscais. Em causa está a transferência de 10 mil milhões de euros para offshores. O CSD é o único partido que ainda não se pronunciou.