sicnot

Perfil

Mundo

Dois portugueses retirados de cidade canadiana envolta em chamas

Pelo menos dois portugueses tiveram de abandonar a cidade canadiana de Fort McMurray, onde lavra um intenso incêndio, disse hoje à agência Lusa a cônsul-geral de Portugal em Vancouver.

© Chris Wattie / Reuters

Os dois portugueses estão agora "em segurança", explicou Maria João Boavida, adiantando que a saída da cidade aconteceu de forma "ordenada e tranquila tanto quando foi possível".

Até agora, o consulado "não foi contactado por cidadãos portugueses que necessitem de apoio consular, nem tem conhecimento de mais portugueses" que tivessem sido retirados da área afetada pelo incêndio.

O incêndio em Fort McMurray já levou à destruição de mais de duas mil casas, obrigando à evacuação de várias localidades.

Desde domingo, mais de mil quilómetros quadrados de floresta foram consumidos pelas chamas, o que corresponde a uma área equivalente a dez vezes a cidade de Paris.

A diplomata, também responsável pela província de Alberta, confirmou ainda que os dois portugueses estão agora em Edmonton, a 430 quilómetros de Fort McMurray.

"Fort McMurray tem uma população temporária muito importante, porque é a principal zona de exploração petrolífera de Alberta. Há muitos trabalhadores provenientes de outras províncias, como o Quebeque, Colúmbia Britânica ou da Nova Escócia, daí que o número de residentes possa efetivamente não responder aos habitantes registados na região", contou Maria João Boavida.

O Consulado Geral de Portugal em Vancouver vai continuar a acompanhar a situação "à distância", visto estar localizado a mais de mil quilómetros de cidades como Edmonton.

Cerca de 18 mil portugueses e lusodescendentes vivem na província de Alberta, concentrados maioritariamente nas cidades de Edmonton e de Calgary.

Quarenta fogos florestais estão hoje ativos em Alberta, dos quais cinco são considerados "fora de controlo". No local estão 1.200 bombeiros, apoiados por 110 helicópteros e 27 aviões de combate a incêndios.

Este é já considerado o maior desastre natural da história canadiana, com a reconstrução da cidade de Fort McMurray a ter um custo previsto de nove mil milhões de dólares canadianos (seis mil milhões de euros).

Lusa

  • Fogo na província de Alberta fora de controlo desde domingo
    1:53

    Mundo

    Continua sem controlo o incêndio florestal em Alberta, no Canadá. Cerca de 90 mil pessoas já abandonaram a zona e o Governo admite que tão cedo não vão poder regressar a casa. O fogo, que que deflagrou no domingo, queimou, até quinta-feira, 85 mil hectares de floresta.

  • Incêndio no Canadá já destruiu cerca de duas mil casas
    1:01

    Mundo

    O incêndio florestal em Fort McMurraym, no Canadá, continua fora de controlo. As chamas já destruíram cerca de duas mil casas na cidade no estado de Alberta e mais de 10 mil hectares de floresta. Todos os habitantes foram obrigados a sair das suas casas. Foi declarado o estado de Emergência em toda a província de Alberta.

  • Incêndio no Canadá pode reduzir cidade inteira a cinzas
    1:40

    Mundo

    Um incêndio em Fort McMurray, no Canadá, obrigou mais de 88 mil pessoas a abandonar as casas. Segundo as autoridades, o fogo poderá destruir a cidade inteira. As chamas estão a ser combatidas por centenas de bombeiros, com recurso a aviões e helicópteros. O perigo das chamas obrigou a ser decretado o estado de emergência.

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02