sicnot

Perfil

Mundo

Venezuelanos protestam contra a escassez de alimentos

A escassez de alimentos e de produtos de primeira necessidade, nos mercados, mobilizou hoje cidadãos de várias localidades venezuelanas, que chegaram a bloquear acessos à cidade de Guatire, Estado de Miranda, a leste de Caracas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Os manifestantes bloquearam a estrada nacional, que liga as localidades de Guarenas e Guatire, impedindo a circulação de transporte de autocarros e camiões, situação que obrigou as autoridades a enviarem a polícia militar (funcionários da Guarda Nacional), para o controlo da situação.

O protesto teve lugar entre os supermercados Dia a Dia e Unicasa, este último, propriedade de empresários madeirenses.

Em La Victória, no Estado venezuelano de Arágua, a oeste de Caracas, houve manifestações contra as falhas de fornecimento de eletricidade e a dificuldade em se conseguir alimentos, nos mercados.

Os protestos ocorreram junto ao supermercado Central Madeirense, também propriedade de portugueses radicados na Venezuela e, segundo as rádios locais, os manifestantes contestavam a eficiência dos Comités Locais de Abastecimento e Produção (Clap), criados pelo Governo venezuelano.

Em Valera, no Estado de Trujillo, a falta de produtos e o racionamento de energia elétrica foram as razões invocadas por dezenas de pessoas para bloquear várias ruas e queimar pneus.

No Estado de Táchira, fronteiriço com a Colômbia, segundo a imprensa local, registaram-se momentos de tensão entre populares, que reclamavam alimentos básicos, ferramentas e peças para viaturas, como baterias e pneus, assim como medicamentos, gasolina, eletricidade e água.

De acordo com a imprensa local, a população afirma que só se verifica fornecimento de água duas ou três vezes por semana, sendo regulares os apagões de luz, durante várias horas, ao longo do dia.

Na noite de sexta-feira, um grupo de pessoas concentrou-se junto a um supermercado de Carrizal (sul de Caracas), gritando "queremos comida", tendo sido necessária a intervenção da polícia militar, para manter a ordem entre a população.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.