sicnot

Perfil

Mundo

Manifestação em frente ao parlamento grego acaba em confrontos com a polícia

Manifestação em frente ao parlamento grego acaba em confrontos com a polícia

A capital da Grécia volta a ser palco de protestos violentos, com mais de 10 mil pessoas nas ruas de Atenas, segundo a polícia. A manifestação que encheu a praça Sintagma, em frente ao Parlamento grego acabou com a polícia a lançar gás lacrimogéneo contra os manifestantes que, por sua vez lançaram cadeiras e todo o tidpo de objetos contra as forças de segurança.

Pelo terceiro dia consecutivo trabalhadores, estudantes e desempregados voltaram a encher a praça em frente ao parlamento grego que ainda hoje vota a polémica reforma das aposentações, exigida pelos credores internacionais para libertar mais uma tranche de ajuda financeira.

A proposta em cima da mesa implica aumentos das contribuições sociais, a subida de impostos para os mais ricos, novos tetos nas pensões dos gregos.

Para além de Atenas há ainda registo de protestos em Tessalónica onde pelo menos 14 mil pessoas sairam às ruas da segunda maior cidade grega.

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41