sicnot

Perfil

Mundo

Assassino de agricultor português morre em troca de tiros com polícia na Venezuela

Um jovem de 19 anos, alegadamente envolvido no assassínio de um agricultor português na Venezuela, morreu hoje numa troca de tiros com a polícia, no bairro Andrés Eloy Blanco, no Estado de Arágua, a 100 quilómetros de Caracas.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Segundo fontes policiais, Joseph Linares, conhecido pela alcunha de "El Gatico", era suspeito de ter assassinado a tiro o agricultor Juan Francisco Fernandes Vieira, de 46 anos.

O assassinato ocorreu na tarde do último sábado, na localidade de Santa Cruz, Estado de Arágua, e o suspeito teria roubado um camião que o agricultor usava para transportar produtos agrícolas, quando o português transportava vários trabalhadores da sua fazenda.

"El Gatico" apercebeu-se de que oficiais da Polícia de Arágua e do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminais (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária) realizavam uma operação conjunta para o apanhar e disparou contra os funcionários.

O jovem terá agarrado a mesma arma com que matou o agricultor português para disparar vários tiros contra a polícia, quando os oficiais se aproximavam da casa onde se encontrava.

Durante a troca de disparos, ficou gravemente ferido, foi transportado ao Centro de Diagnóstico Integral de Santa Cruz, onde faleceu pouco depois de dar entrada.

Entretanto, a polícia venezuelana deteve quatro outros indivíduos, suspeitos também de estarem envolvidos no assassinato do agricultor português e de fazerem parte de um grupo criminoso conhecido pelo apelido de "El Changó", contra o qual existem denúncias de sequestro e roubo de agricultores da localidade.

Lusa

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.