sicnot

Perfil

Mundo

Começou em Bruxelas julgamento de alegados jihadistas

O julgamento de sete suspeitos de ligações à célula terrorista que organizou atentados em Paris e Bruxelas começou hoje na capital belga.

(Arquivo)

(Arquivo)

reuters

Os suspeitos foram detidos em janeiro de 2015, na sequência de uma operação policial, em Verviers, a 120 quilómetro a Leste de Bruxelas.

Outras nove pessoas continuam a ser procuradas pelas autoridades e serão julgadas à revelia.

A polícia acredita que Abdelhamid Abaaud, suspeito de ter planeado os ataques de 13 novembro de 2015, que mataram 130 pessoas em Paris, e que foi abatido num tiroteio dois dias depois, controlava a célula de Verviers a partir da Grécia.

A célula que organizou os atentados de Paris será a mesma que preparou os de Bruxelas, a 22 de março, e que mataram 32 pessoas em explosões no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maalbeck - todos reivindicados pelo Daesh (acrónimo para o auto-proclamado Estado Islâmico.

O principal acusado no julgamento que hoje se inicia - e se prevê que dure três semanas - é Maruane El Bali, que terá disparado sobre a polícia, numa troca de tiros em que dois suspeitos jihadistas morreram.

Os mortos foram identificados como Sofiane Amghar e Khalid Ben Larbi, que se juntaram ao Daesh, na Síria, em abril de 2014.

A rusga em Verviers teve lugar duas semanas após um outro atentado, em Paris, contra o semanário satírico Charlie Hebdo e um supermercado de produtos judaicos e que causaram 17 mortos.

  • Donaldtrumpi, a traça

    Mundo

    O investigador Vazrick Nazari decidiu dar o nome de Donald Trump a uma nova espécie de traça. O inseto foi descoberto na Califórnia e tem algo em comum com o Presidente dos Estados Unidos: uma pelagem loura muito parecida ao penteado de Trump.

  • Autocarro com seguranças atacado em Braga
    0:42

    Desporto

    Dois autocarros que transportavam elementos de uma empresa de segurança foram atingidos por tiros e pedras depois do jogo entre o Sporting de Braga e o Vitória de Guimarães. O ataque deu-se a poucos quilómetros do Estádio Municipal de Braga. A PSP e a PJ estiveram no local a recolher provas.