sicnot

Perfil

Mundo

Empresários sul-coreanos recorrem contra fecho de complexo intercoreano

Os empresários sul-coreanos que estavam em Kaesong, complexo industrial intercoreano fechado desde fevereiro, apresentaram hoje um recurso na justiça contra a decisão do Governo de Seul de se retirar do projeto.

reuters

O grupo de empresários, que representa uma centena de firmas, afirma que a decisão de Seul viola o direito constitucional à propriedade.

A decisão de retirar de Kaesong - um dos últimos projetos de cooperação entre o Norte e o Sul - foi a resposta das autoridades sul-coreanas ao quarto ensaio nuclear norte-coreano e ao lançamento daquilo que Pyongyang afirmou ser um foguetão para colocar um satélite no espaço, mas que a comunidade internacional considerou tratar-se de um míssil de longo alcance.

O Governo de Pyongyang retaliou com a expulsão de todos os empresários e a apreensão dos bens sul-coreanos, incluindo matérias-primas, produtos acabados e equipamentos.

Cerca de 53 mil norte-coreanos trabalhavam em Kaesong em 124 firmas sul-coreanas, sobretudo na confeção, eletrónica e produção química.

As empresas sul-coreanas exigiram ao Governo o pagamento de cerca de 663 milhões de dólares (582 milhões de euros) em compensações e juros. No recurso, pediram ao tribunal constitucional que determine que as autoridades foram demasiado longe ao decidirem retirar-se do projeto.

"Sempre pedimos ao Governo do Norte para gerir Kaesong em conformidade com as regras de um Estado de direito, mas foi o nosso próprio Governo que violou o direito à propriedade ao tomar a súbita decisão de fechar (a zona) sem fundamento legal", acusou o grupo, em comunicado.

A zona de Kaesong, situada em território norte-coreano, nasceu no âmbito da "diplomacia raio de sol", desenvolvida por Seul de 1998 a 2008 e que visava encorajar os contactos entre os dois irmãos inimigos.

Em 12 anos, as sociedades sul-coreanas pagaram o equivalente a 560 milhões de dólares em salários às autoridades norte-coreanas que supervisionam os operários que trabalham em Kaesong.

As duas Coreias continuam tecnicamente em guerra, uma vez que o conflito de 1950-53 terminou com a assinatura de um armistício e não de um tratado de paz.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.