sicnot

Perfil

Mundo

Fogo florestal em Alberta poupou 90% de Fort McMurray

O fogo florestal que graça na província canadiana de Alberta poupou 90% de Fort McMurray, disse a primeira-ministra provincial de Alberta, Rachel Notley, classificando a capacidade de retirada das pessoas da cidade como "um milagre".

© Chris Wattie / Reuters

A evacuação da cidade de Fort McMurray, em virtude dos enormes incêndios florestais, foi bem sucedida, sem se registar uma única vítima.

"Foi um milagre termos sido capazes de resgatar toda a população" de forma segura e atempadamente, disse Rachel Notley, depois da sua primeira visita à cidade, que está 90% intacta, mas ainda interdita aos seus habitantes.

Os grandes incêndios em Fort McMurray começaram no passado dia 01 de maio a sudoeste da cidade, tendo obrigado, dada a sua amplitude, à retirada de 100.000 habitantes da cidade.

No passado dia 03 de maio as autoridades canadianas emitiram um aviso de evacuação obrigatória da metade sul de Fort McMurray, no norte da província de Alberta, devido a um grande incêndio florestal, que chegou às habitações.

O incêndio estava a progredir rapidamente para o norte da cidade, e a evacuação das populações tornou-se obrigatória segundo o alerta dado na tarde do dia 03 de maio (22:00 de Lisboa) pelos serviços de emergência de Alberta.

No último domingo, os incêndios gigantescos foram dados como fora de controlo e duplicaram de dimensão perto de Fort McMurray, segundo o Governo.

Na ocasião o Governo mostrou-se preocupado com o impacto do fogo na economia, designadamente na indústria petrolífera.

O fogo, que duplicou de tamanho no passado sábado, terá consumido mais de 200 mil hectares até a meia-noite de domingo, indicou a agência de gestão de urgências de Alberta no seu relatório.

"As condições relacionadas ao fogo são extremas", referiu a agência, sobretudo por causa das temperaturas estão próximas dos 30º Celsius durante o dia, os ventos sopram a 40 quilómetros por hora e o terreno está seco, depois de dois meses sem chuva.

As repercussões económicas são enormes já que, segundo os especialistas, as empresas petrolíferas Suncor, a Syncrude e a Shell reduziram a sua produção diária de barris.

Mais de 1.400 bombeiros, 133 helicópteros e 27 camiões-cisterna combatem 43 fogos diferentes que atravessam a província canadiana de Alberta.

Lusa

  • Fogos no Canadá podem levar meses a ser extintos
    2:49

    Mundo

    Os bombeiros do Canadá acreditam que a melhoria do tempo vai ajudar no combate às chamas, na província de Alberta. As autoridades estão mais otimistas em relação às operações, mas lembram que poderão ser precisos meses para que o fogo seja extinto na totalidade.

  • Fogo na província de Alberta fora de controlo desde domingo
    1:53

    Mundo

    Continua sem controlo o incêndio florestal em Alberta, no Canadá. Cerca de 90 mil pessoas já abandonaram a zona e o Governo admite que tão cedo não vão poder regressar a casa. O fogo, que que deflagrou no domingo, queimou, até quinta-feira, 85 mil hectares de floresta.

  • Encontrada criança britânica desaparecida na praia da Luz

    País

    Foi encontrada a criança britânica que estava desaparecida desde o início da tarde, avançaram as autoridades. A Polícia Marítima tinha sido informada do desaparecimento de um rapaz de 8 anos, de nacionalidade inglesa, tendo efetuado diligências nas proximidades da praia algarvia.

    Em atualização

  • Marcelo pede "serenidade e cabeça fria" no debate político
    1:29
  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.

  • Várias casas evacuadas devido a chuvas fortes na Alemanha
    0:54
  • Liberdade de movimento entre UE e Reino Unido termina em março de 2019

    Brexit

    A liberdade dos cidadãos europeus para viver e trabalhar no Reino Unido vai terminar, em março de 2019. O Governo britânico pediu esta quarta-feira um estudo de um ano sobre a migração europeia no país, de modo a ajudar no sistema de imigração que será implementado. A avaliação vai estar concluída em setembro, de 2018, seis meses antes da conclusão do Brexit.