sicnot

Perfil

Mundo

Jornalista da BBC expulso da Coreia do Norte

O jornalista da BBC Rupert Wingfield-Hayes foi detido na Coreia do Norte e vai ser expulso, informou hoje a emissora britânica. Rupert Wingfield-Hayes foi um dos três elementos da equipa da BBC - a par com a produtora Maria Byrne e o operador de câmara Matthew Goddard - detidos na sexta-feira quando se preparavam para deixar a Coreia do Norte.

© Andrew Winning / Reuters

O jornalista foi interrogado durante oito horas pelas autoridades que o obrigaram a assinar uma declaração, segundo a BBC.

A equipa de reportagem foi levada para o aeroporto.

Um funcionário do Comité Nacional da Paz da Coreia do Norte afirmou hoje em conferência de imprensa em Pyongyang, citado pela agência noticiosa chinesa Xinhua, que o jornalista da BBC foi expulso por atacar o sistema da Coreia do Norte e por reportagens não-objetivas durante a permanência da equipa de filmagem.

Segundo o mesmo responsável, Rupert Wingfield-Hayes vai ser proibido de entrar novamente na Coreia do Norte.

A equipa da BBC estava na Coreia do Norte nas vésperas do Congresso do Partido dos Trabalhadores, a acompanhar uma delegação de laureados com o prémio Nobel.

Segundo Stephen Evans, também da BBC, que ainda se encontra em Pyongyang, a liderança norte-coreana ficou desagradada com as reportagens que colocaram em evidência aspetos do quotidiano na capital, indica a emissora na sua página na Internet.

Wingfield-Hayes trabalha habitualmente como correspondente em Tóquio, segundo a agência Efe.

Cerca de 130 jornalistas estrangeiros estão em Pyongyang a fazer a cobertura do Congresso do Partido dos Trabalhadores, que se realiza pela primeira vez em 36 anos, e que deve terminar hoje.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.