sicnot

Perfil

Mundo

Operação para ficar mais alto é tendência crescente na Índia

Um número crescente de indianos sujeita-se a uma cirurgia complexa que envolve partir os ossos das pernas e usar um aparelho durante meses. Um sofrimento para se ficar maisl alto, em nome do "sucesso na carreira e no casamento".

Amara Sarin/The Guardian

É já uma tendência entre os jovens indianos com alguma prosperidade económica. Para ficarem mais altos, num país onde a altura é considerada um critério de atração, os jovens sujeitam-se à penosa cirurgia onde os ossos são partidos. Além do sofrimento físico, o problema é que esta é uma cirurgia não regulada na Índia, onde muitos médicos a fazer sem terem qualquer experiência.

"É uma das operações cosméticas mais difíceis de fazer e há médicos a fazê-la há apenas um ou dois meses. Não há cursos, treino, nada", alerta Amar Sarin, um ortopedista de Deli.

O médico começou a fazer esta cirurgia há 5 anos e diz já ter tratado 300 pacientes.

"É uma tendência crescente na Índia. Recebo 20 chamadas por dia com pessoas a dizerem-me: Quero ser mais alto, tenho de ser mais alto", conta ao jornal The Guardian,.

A cirurgia está a dividir a comunidade de ortopedistas na Índia, com muitos deles a alertarem para o facto de ser muito difícil de realizar, ao mesmo tempo que pode levar a deficiências que podem não ser reversíveis.

A operação foi criada nos anos 50, na pequena cidade sociética de Jrugan, Sibéria. Quem a realizou foi o polaco Gavriil Ilizarov, que sublinhou a necessidade desta cirurgia apenas para pessoas que tinham tido acidentes ou que teriam nascido com tanahos de pernas diferentes.

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.