sicnot

Perfil

Mundo

Operação para ficar mais alto é tendência crescente na Índia

Um número crescente de indianos sujeita-se a uma cirurgia complexa que envolve partir os ossos das pernas e usar um aparelho durante meses. Um sofrimento para se ficar maisl alto, em nome do "sucesso na carreira e no casamento".

Amara Sarin/The Guardian

É já uma tendência entre os jovens indianos com alguma prosperidade económica. Para ficarem mais altos, num país onde a altura é considerada um critério de atração, os jovens sujeitam-se à penosa cirurgia onde os ossos são partidos. Além do sofrimento físico, o problema é que esta é uma cirurgia não regulada na Índia, onde muitos médicos a fazer sem terem qualquer experiência.

"É uma das operações cosméticas mais difíceis de fazer e há médicos a fazê-la há apenas um ou dois meses. Não há cursos, treino, nada", alerta Amar Sarin, um ortopedista de Deli.

O médico começou a fazer esta cirurgia há 5 anos e diz já ter tratado 300 pacientes.

"É uma tendência crescente na Índia. Recebo 20 chamadas por dia com pessoas a dizerem-me: Quero ser mais alto, tenho de ser mais alto", conta ao jornal The Guardian,.

A cirurgia está a dividir a comunidade de ortopedistas na Índia, com muitos deles a alertarem para o facto de ser muito difícil de realizar, ao mesmo tempo que pode levar a deficiências que podem não ser reversíveis.

A operação foi criada nos anos 50, na pequena cidade sociética de Jrugan, Sibéria. Quem a realizou foi o polaco Gavriil Ilizarov, que sublinhou a necessidade desta cirurgia apenas para pessoas que tinham tido acidentes ou que teriam nascido com tanahos de pernas diferentes.

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.