sicnot

Perfil

Mundo

Polícia admite novo fenómeno de raptos e resgates em Luanda

A polícia angolana admite o rapto de cidadãos, para obtenção de resgates, como nova prática criminal que está a afetar a capital, Luanda, fenómeno relacionado com a profunda crise que o país atravessa.

Joost De Raeymaeker/ Lusa (Arquivo)

De acordo com informação transmitida hoje pelo diretor provincial de Luanda da Polícia de Ordem Pública, superintendente-chefe Mateus André, trata-se de "um novo fenómeno", em que só "nos últimos dias" foram conhecidas "três situações".

"Começou com cidadãos de nacionalidade chinesa que procediam ao rapto de cidadãos da mesma nacionalidade, com algum poder económico e financeiro, e que depois negociavam um resgate", explicou o oficial da Polícia Nacional, durante um debate emitido hoje pela rádio pública angolana.

No mês de abril foram conhecidos raptos por homens armados, em Luanda, de um cidadão de dupla nacionalidade, belga e libanês, que foi libertado em troca de dinheiro, e também de dois chineses e um francês.

Ainda assim, Mateus André refutou que os estrangeiros sejam um alvo da criminalidade violenta em Luanda, sendo este novo fenómeno de raptos um resultado da crise.

"Conseguimos desarticular totalmente esta organização [envolvendo criminosos de nacionalidade chinesa]. Entretanto, o processo permitiu que recrutassem determinados nacionais, que foram dando continuidade a este fenómeno", apontou.

O diretor provincial da Polícia de Ordem Pública recordou ainda que em 2014 e 2015 a maior preocupação das autoridades prendia-se com os roubos "à saída e entrada" dos bancos, que rendiam "valores avultadíssimos", em dólares ou kwanzas.

No entanto, devido à crise e à falta de divisas no país, na última semana este tipo de roubo terá rendido "menos de 1.000 dólares", pouco para "quem já roubava cento e tal mil dólares", sublinhou o superintendente-chefe Mateus André.

No último mês há ainda registo do homicídio violento de três portugueses em Luanda, entre os quais um casal morto a tiro à frente do filho, casos que segundo a polícia estão em investigação.

Lusa

  • Portuguesa ouviu disparos que mataram casal em Luanda
    4:22

    Mundo

    Um casal português foi morto em Luanda. O local onde Elvira e Fernando foram assassinados é bem conhecido por quem vive em Luanda por serem frequentes os episódios de violência e criminalidade. A estrada, que a grande maioria dos portugueses faz todos os dias, liga os dois extremos da capital angolana pela periferia. Uma portuguesa que mora junto a esta Via Expresso, e que ainda ouviu os disparos que mataram o casal ontem em Luanda, contou ao telefone para o Jornal da Meia Noite que apesar de reconhecer o perigo vai ter que continuar a usar este caminho para casa.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.