sicnot

Perfil

Mundo

Forças de segurança venezuelanas impediram marcha promovida pela oposição

Efetivos das forças de segurança venezuelanas impediram hoje milhares de pessoas, convocadas pela oposição, de marcharem até ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), em Caracas.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O objetivo da marcha era defender a realização de um referendo para revogar o mandado do Presidente Nicolás Maduro.

A marcha, encabeçada pelo ex-candidato presidencial Henrique Capriles Radonski, partiu desde Bello Monte em direção a Plaza Venezuela (ambas a leste de Caracas) e foi interrompida por vários autocarros e camiões, por um cordão de efetivos da Polícia Nacional Bolivariana (PNB) e viaturas blindadas da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar).

Os manifestantes tentaram rodear os obstáculos, alterando a marcha até à autoestrada Francisco Fajardo (que atravessa Caracas pelo sul), mas foram novamente bloqueados pelas forças de segurança, que dispararam granadas de gás lacrimogéneo.

Devido à intervenção das forças de segurança, os manifestantes não chegaram a percorrer nem dois quilómetros.

Segundo o deputado Júlio Borges, do partido Primeiro Justiça, Henrique Capriles Radonski foi atacado no rosto, com uma lata de gás, por um oficial da PNB com quem tentava negociar para poder avançar até ao centro de Caracas.

O ataque ocorreu no município Libertador, governado por Jorge Rodríguez, do partido governamental, e o ex-candidato presidencial teve que ser levado a um centro médico, onde está, segundo fontes da oposição, "a recuperar satisfatoriamente".

A marcha tinha sido convocada pela oposição que pretendia chegar ao CNE para exigir que esse organismo inicie o processo de verificação das mais de 1,8 milhões de assinaturas entregues para solicitar a convocação de um referendo que revogue o mandato do Presidente Nicolás Maduro.

A oposição insiste que o CNE está a desrespeitar os prazos previstos na lei, o que poderá demorar a realização do referendo.

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.