sicnot

Perfil

Mundo

Forças de segurança venezuelanas impediram marcha promovida pela oposição

Efetivos das forças de segurança venezuelanas impediram hoje milhares de pessoas, convocadas pela oposição, de marcharem até ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), em Caracas.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

O objetivo da marcha era defender a realização de um referendo para revogar o mandado do Presidente Nicolás Maduro.

A marcha, encabeçada pelo ex-candidato presidencial Henrique Capriles Radonski, partiu desde Bello Monte em direção a Plaza Venezuela (ambas a leste de Caracas) e foi interrompida por vários autocarros e camiões, por um cordão de efetivos da Polícia Nacional Bolivariana (PNB) e viaturas blindadas da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar).

Os manifestantes tentaram rodear os obstáculos, alterando a marcha até à autoestrada Francisco Fajardo (que atravessa Caracas pelo sul), mas foram novamente bloqueados pelas forças de segurança, que dispararam granadas de gás lacrimogéneo.

Devido à intervenção das forças de segurança, os manifestantes não chegaram a percorrer nem dois quilómetros.

Segundo o deputado Júlio Borges, do partido Primeiro Justiça, Henrique Capriles Radonski foi atacado no rosto, com uma lata de gás, por um oficial da PNB com quem tentava negociar para poder avançar até ao centro de Caracas.

O ataque ocorreu no município Libertador, governado por Jorge Rodríguez, do partido governamental, e o ex-candidato presidencial teve que ser levado a um centro médico, onde está, segundo fontes da oposição, "a recuperar satisfatoriamente".

A marcha tinha sido convocada pela oposição que pretendia chegar ao CNE para exigir que esse organismo inicie o processo de verificação das mais de 1,8 milhões de assinaturas entregues para solicitar a convocação de um referendo que revogue o mandato do Presidente Nicolás Maduro.

A oposição insiste que o CNE está a desrespeitar os prazos previstos na lei, o que poderá demorar a realização do referendo.

Lusa

  • As primeiras decisões do Presidente Trump
    1:39
  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O diretor de informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Celebridades protestam contra Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Cantora brasileira conhecida pela "Lambada" terá sido assassinada
    1:25

    Mundo

    Terá sido assassinada a cantora brasileira conhecida em Portugal pela "lambada", um ritmo que marcou o fim dos anos 90. Foi encontrada carbonizada dentro do próprio carro depois de assaltada em casa. Três suspeitos suspeitos do homicídio da cantora Loalwa Braz foram já detidos.