sicnot

Perfil

Mundo

Meteoritos com 2.700 milhões de anos revelam segredos da antiga atmosfera da Terra

Os micrometeoritos fósseis mais antigos permitiram aos cientistas descobrir as propriedades da atmosfera da Terra há 2.700 milhões de anos, de acordo com um estudo publicado hoje na revista Nature.

Jeffrey Phelps

A composição destes restos de poeira estelar, com diâmetros compreendidos entre 8,6 e 50 micrometros, que parecem ter sido submetidos a um processo de oxidação, sugere que as camadas superiores da atmosfera eram ricas em oxigénio.

Os cientistas acreditam que as camadas mais baixas da atmosfera durante o éon Arqueano (entre 4.000 e 2.500 milhões de anos atrás) continham baixos níveis de oxigénio - menos do que 0,001% da concentração atual -, mas até agora não havia qualquer método para estudar as camadas mais elevadas.

O Geólogo Andrew Tomkins e a sua equipa da Universidade de Monash, na Austrália, recolheram e examinaram 60 micrometeoritos fósseis de calcário sedimentar na região australiana Pilbara, no noroeste do país.

Estes micrometeoritos são pequenas partículas de material cósmico que derreteu completamente através da atmosfera a uma altura de entre 75 e 90 quilómetros.

A análise química dos micrometeoritos sugere que as concentrações de oxigénio naquelas camadas atmosféricas devem ser semelhantes às encontradas na troposfera corrente.

"Graças ao uso de microscópios de alta precisão, descobrimos que a maioria destes micrometeoritos foram partículas metálicas de ferro - composição comum em meteoritos que se tornaram minerais de óxido de ferro," disse Tomkins na sua Universidade.

"Isso indica que os níveis de oxigénio eram mais elevados do que o esperado. Foi um resultado emocionante, porque é a primeira vez que alguém encontra um método para estudar a composição da atmosfera antiga da Terra", acrescentou.

Num artigo que acompanha o artigo da Nature, os especialistas Kevin Zahnle, da divisão de ciência espacial da NASA, e Roger Buick, astro-biólogo na Universidade de Washington, afirmam que a descoberta de Tomkins e da sua equipa é "surpreendente" para a comunidade científica.

Os cientistas independentes argumentam que a teoria da falta de oxigénio na era primordial da Terra (anoxia) estava, até agora, assente em "argumentos fortes".

Lusa

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.

  • Sol e calor ficam para o Natal
    1:50

    País

    Com o Natal à porta, o sol teima em ficar um pouco por todo o país. Até a norte as temperaturas estão altas para esta época do ano com o distrito do Porto a rondar os 18 graus.

  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10