sicnot

Perfil

Mundo

Meteoritos com 2.700 milhões de anos revelam segredos da antiga atmosfera da Terra

Os micrometeoritos fósseis mais antigos permitiram aos cientistas descobrir as propriedades da atmosfera da Terra há 2.700 milhões de anos, de acordo com um estudo publicado hoje na revista Nature.

Jeffrey Phelps

A composição destes restos de poeira estelar, com diâmetros compreendidos entre 8,6 e 50 micrometros, que parecem ter sido submetidos a um processo de oxidação, sugere que as camadas superiores da atmosfera eram ricas em oxigénio.

Os cientistas acreditam que as camadas mais baixas da atmosfera durante o éon Arqueano (entre 4.000 e 2.500 milhões de anos atrás) continham baixos níveis de oxigénio - menos do que 0,001% da concentração atual -, mas até agora não havia qualquer método para estudar as camadas mais elevadas.

O Geólogo Andrew Tomkins e a sua equipa da Universidade de Monash, na Austrália, recolheram e examinaram 60 micrometeoritos fósseis de calcário sedimentar na região australiana Pilbara, no noroeste do país.

Estes micrometeoritos são pequenas partículas de material cósmico que derreteu completamente através da atmosfera a uma altura de entre 75 e 90 quilómetros.

A análise química dos micrometeoritos sugere que as concentrações de oxigénio naquelas camadas atmosféricas devem ser semelhantes às encontradas na troposfera corrente.

"Graças ao uso de microscópios de alta precisão, descobrimos que a maioria destes micrometeoritos foram partículas metálicas de ferro - composição comum em meteoritos que se tornaram minerais de óxido de ferro," disse Tomkins na sua Universidade.

"Isso indica que os níveis de oxigénio eram mais elevados do que o esperado. Foi um resultado emocionante, porque é a primeira vez que alguém encontra um método para estudar a composição da atmosfera antiga da Terra", acrescentou.

Num artigo que acompanha o artigo da Nature, os especialistas Kevin Zahnle, da divisão de ciência espacial da NASA, e Roger Buick, astro-biólogo na Universidade de Washington, afirmam que a descoberta de Tomkins e da sua equipa é "surpreendente" para a comunidade científica.

Os cientistas independentes argumentam que a teoria da falta de oxigénio na era primordial da Terra (anoxia) estava, até agora, assente em "argumentos fortes".

Lusa

  • Os efeitos dos incêndios na natureza
    2:46

    País

    Cheias frequentes, erosão dos solos e contaminação dos rios e albufeiras são as previsões unânimes da comunidade científica para os próximos tempos, na sequência dos incêndios florestais. À SIC, o hidrobiólogo Adriano Bordalo Sá e o investigador de recursos florestais Rui Cortes alertam: é necessário começar a tratar da terra queimada o mais rapidamente possível.

  • Número de vítimas mortais dos incêndios sobe para 45

    País

    Uma pessoa que estava internada no Hospital da Prelada, Porto, na sequência dos incêndios do dia 15 nas regiões Centro e Norte, morreu hoje, anunciou a unidade hospitalar, subindo assim para 45 o número de vítimas mortais daqueles fogos.

  • Os melhores do mundo pela FIFA da última década

    Desporto

    O português Cristiano Ronaldo e o argentino Lionel Messi têm repartido de forma igual os prémios de melhor jogador do mundo pela FIFA, na última década. Apesar destes dois nomes serem os mais falados, muitos outros jogadores foram nomeados para o prémio. Conheça a lista dos nomeados e dos vencedores desde 2007.

  • Achado inédito encontrado na nau de Vasco da Gama naufragada em Omã

    Mundo

    Uma equipa de investigadores afirma ter encontrado, ao largo da costa de Omã, o mais antigo instrumento de navegação alguma vez descoberto. O achado arqueológico é um astrolábio e terá sido localizado no meio do que resta da nau Esmeralda, da frota de Vasco da Gama, naufragada no Oceano Índico em 1503.

    SIC

  • "Isto destrói famílias"
    0:46
  • Eurodeputados homenageiam vítimas dos fogos
    1:38

    País

    A União Europeia vai doar os 50 mil euros do prémio Princesa das Astúrias às populações afetadas pelos incêndios em Portugal e Espanha. A Comissão Europeia continua a avaliar o pedido ao Fundo Europeu de Solidariedade, mas o pedido deverá ainda ser atualizado para incluir os prejuízos causados pelos incêndios da semana passada.