sicnot

Perfil

Mundo

Meteoritos com 2.700 milhões de anos revelam segredos da antiga atmosfera da Terra

Os micrometeoritos fósseis mais antigos permitiram aos cientistas descobrir as propriedades da atmosfera da Terra há 2.700 milhões de anos, de acordo com um estudo publicado hoje na revista Nature.

Jeffrey Phelps

A composição destes restos de poeira estelar, com diâmetros compreendidos entre 8,6 e 50 micrometros, que parecem ter sido submetidos a um processo de oxidação, sugere que as camadas superiores da atmosfera eram ricas em oxigénio.

Os cientistas acreditam que as camadas mais baixas da atmosfera durante o éon Arqueano (entre 4.000 e 2.500 milhões de anos atrás) continham baixos níveis de oxigénio - menos do que 0,001% da concentração atual -, mas até agora não havia qualquer método para estudar as camadas mais elevadas.

O Geólogo Andrew Tomkins e a sua equipa da Universidade de Monash, na Austrália, recolheram e examinaram 60 micrometeoritos fósseis de calcário sedimentar na região australiana Pilbara, no noroeste do país.

Estes micrometeoritos são pequenas partículas de material cósmico que derreteu completamente através da atmosfera a uma altura de entre 75 e 90 quilómetros.

A análise química dos micrometeoritos sugere que as concentrações de oxigénio naquelas camadas atmosféricas devem ser semelhantes às encontradas na troposfera corrente.

"Graças ao uso de microscópios de alta precisão, descobrimos que a maioria destes micrometeoritos foram partículas metálicas de ferro - composição comum em meteoritos que se tornaram minerais de óxido de ferro," disse Tomkins na sua Universidade.

"Isso indica que os níveis de oxigénio eram mais elevados do que o esperado. Foi um resultado emocionante, porque é a primeira vez que alguém encontra um método para estudar a composição da atmosfera antiga da Terra", acrescentou.

Num artigo que acompanha o artigo da Nature, os especialistas Kevin Zahnle, da divisão de ciência espacial da NASA, e Roger Buick, astro-biólogo na Universidade de Washington, afirmam que a descoberta de Tomkins e da sua equipa é "surpreendente" para a comunidade científica.

Os cientistas independentes argumentam que a teoria da falta de oxigénio na era primordial da Terra (anoxia) estava, até agora, assente em "argumentos fortes".

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.