sicnot

Perfil

Mundo

Vida em El Salvador pode estar em risco em 80 anos devido à falta de água

A vida em El Salvador poderá ser inviável daqui a 80 anos devido à crise hídrica, que recentemente levou o governo a declarar o estado de emergência nacional, conclui um estudo realizado pelo Instituto de Defesa dos Direitos Humanos (PDDH) divulgado esta quarta-feira.

Reuters

Reuters

REUTERS

"De acordo com as análises científicas realizadas por diferentes organizações internacionais analisadas neste estudo, se seguirmos esta lógica de deterioração e degradação dos ativos de água em El Salvador, em 80 anos a vida será inviável no país", disse David Morales do PDDH.

O provedor de Justiça de El Salvador disse que o estudo dá conta de que, em 80 anos, "a disponibilidade per capita de água" será reduzida em 83% no país, onde cerca de 600.000 famílias em áreas rurais já não têm acesso a água potável.

O estudo mostra ainda que em 2016 "bateram-se recordes históricos" quanto ao declínio dos caudais dos principais rios.

E acrescenta que neste país da América Central há uma "poluição legal" da água - derrame de águas residuais em rios que afetam pelo menos 89% da água de superfície.

No dia 14 de abril, o governo salvadorenho declarou o estado de emergência nacional devido à escassez de água, principalmente na área central, e disponibilizou à Administração Nacional Autónoma de Aquedutos e Esgotos (ANDA) 3,5 milhões de dólares (3,1 milhões de euros) para construção de quatro novos poços.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão