sicnot

Perfil

Mundo

Moçambique perdeu quase metade da população de elefantes em cinco anos

Moçambique perdeu 48% da população de elefantes nos últimos cinco anos e pode ser banido do comércio internacional de derivados da espécie, devido à falta de clareza na gestão dos animais, anunciaram hoje fontes do Governo moçambicano.

© STR New / Reuters

Dados divulgados durante um seminário realizado hoje em Maputo indicam que o número de elefantes em Moçambique passou de 20 mil para 10.300 e as áreas de conservação do norte do país são as mais afetadas pela ação dos caçadores furtivos.

"A caça furtiva em Moçambique é uma realidade difícil de controlar", disse à imprensa Carlos Lopes Pereira, chefe de Departamento de Fiscalização e Combate à Caça Furtiva na Administração de Áreas de Conservação.

No global, lamentou o chefe do departamento tutelado pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, Moçambique perde dois mil animais por ano", observando que este dado revela um rácio de seis elefantes abatidos por dia.

A pobreza das populações locais e o crescimento do mercado internacional de venda de marfim, prosseguiu Carlos Lopes Pereira, são apontadas como as principais causas da matança de animais e a localização de Moçambique nas proximidades dos países considerados como centros da caça furtiva tem contribuído para a generalização deste crime.

Para Carlos Lopes Pereira, a solução para a caça furtiva em Moçambique passa pela capacitação das instituições de preservação, tanto a nível técnico como financeiro.

"A situação tem de mudar ou teremos de assumir que esta espécie entrou numa fase que se torna inviável", referiu, destacando a importância da adoção por parte do Governo de um plano para a proteção do elefante em Moçambique.

No âmbito do Seminário de Revisão da Estratégia e do Plano de Ação para a Conservação do Elefante em Moçambique, o coordenador do projeto MozBio (Moçambique Biodiversidade), entidade estatal, também manifestou preocupação com os dados hoje divulgados.

Afonso Modope considerou que o país está em risco de ser banido pela União Europeia e pelos Estados Unidos do comércio internacional de derivados de elefantes, devido à falta de clareza nas estratégias de proteção destes animais.

Modope garantiu, no entanto, que o Governo moçambicano quer assegurar os pressupostos internacionais para a segurança das espécies ameaçadas de extinção.

"Nós temos acordos e memorandos celebrados com os países vizinhos para o combate à caça furtiva", afirmou Afonso Modope, apontando também a definição de novas estratégias de combate à caça furtiva como a condição para recuperar o respeito internacional.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.