sicnot

Perfil

Mundo

Papa quer criar comissão sobre abertura de diaconado às mulheres

O Papa Francisco anunciou hoje a intenção de criar uma comissão para estudar a possibilidade de as mulheres acederem ao diaconado, podendo substituir os padres em alguns sacramentos, como o batismo.

© Alessandro Bianchi / Reuters

Perante várias centenas de religiosas, o Papa respondeu afirmativamente a uma que perguntou se não era altura de criar uma comissão para estudar esta questão, de acordo com as agências noticiosas italianas.

"Penso que sim, fazia bem à Igreja esclarecer este ponto. Concordo. Falarei para que se faça qualquer coisa desse género", declarou Jorge Bergoglio, questionado por uma das religiosas sobre a possibilidade de criar uma comissão para estudar a possibilidade de abrir o diaconado às mulheres, de acordo com as agências noticiosas italianas.

Francisco falava perante cerca de 900 superioras gerais de vários institutos e congregações religiosas, durante um encontro realizado no Vaticano.

Questionado pela agência noticiosa France Presse, o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, recusou confirmar a informação e disse aguardar por um esclarecimento das declarações do Papa.

Na Igreja Católica, os diáconos podem celebrar batismos, casamentos e funerais. Apenas os padres podem celebrar missa ou confessar fiéis.

O diaconado é a primeira etapa para o sacerdócio, mas o Concílio Vaticano II restabeleceu o diaconado permanente, acessível a homens casados, que assumem algumas funções quando não há padres ou são seus assistentes.

O Papa Francisco referiu, em várias ocasiões, a sua vontade de resolver a desigualdade existente atualmente entre homens e mulheres na Igreja, mas até agora tomou poucas medidas concretas.

Recentemente, o Papa afirmou ser pouco possível que as mulheres acedam ao sacerdócio e explicou que o seu antecessor João Paulo II examinou longamente esta proposta antes de responder negativamente.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.