sicnot

Perfil

Mundo

Rececionista despedida por não usar sapatos de salto alto

Nicola Thorp, de 27 anos, funcionária da PwC em Londres, foi despedida por se recusar a usar sapatos de salto alto. A rececionista, que foi mandada para casa sem remuneração, reagiu ao despedimento e perguntou às suas chefias se os seus colegas do sexo masculino também eram obrigados a usar salto alto.

Nicola Thorp, natural de Hackney, arredores de Londres, era funcionária da PwC na capital britânica.

Nicola Thorp, natural de Hackney, arredores de Londres, era funcionária da PwC na capital britânica.

"Perguntei se me sabiam dar um argumento que explicasse porque é que usar sapatos de salto raso era prejudicial para o meu trabalho, mas ninguém soube dar uma resposta", disse Thorp, em declarações à BBC.

"Pediram-me que fizesse turnos de 9 horas de pé, a usar sapatos com saltos que deveriam ter entre 5 e 10 cm. Eu disse-lhes que não seria capaz de fazer esse horário de saltos altos", acrescentou.

A PwC afirmou, por seu lado, que a companhia não tinha nenhuma imposição ao nível do vestuário.

Indignada com a situação, Nicola Thorp publicou um post no Facebook onde relatou o seu caso e ficou admirada com as reações. Outras mulheres escreveram comentários a dizer que se encontravam na mesma situação.

"Estava um tanto receosa de falar do meu caso, tinha medo que tivesse um feedback negativo, mas depois percebi que tinha de dar voz a esta situação, afinal com o alcance muito maior do que o que eu imaginava", realçou.

  • Quando se confunde o pedal do travão com o acelerador
    0:38

    Mundo

    Na China, chegam imagens de um acidente fora do normal. Um homem parou o carro e saiu para cumprimentar um amigo. Enquanto conversavam, a viatura começou a descair lentamente. O condutor correu de imediato para o carro. Com as mãos já no volante, tentou evitar o pior mas em vez de carregar no travão, carregou no acelerador.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.