sicnot

Perfil

Mundo

"É difícil entender a dimensão da tragédia do fogo de Fort Murray"

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, declarou hoje, depois de se vai deslocar à cidade de Fort McMurray, evacuada há 10 dias devido a um massivo incêndio florestal, que é difícil entender a dimensão da tragédia.

© Mark Blinch / Reuters

Trudeau sobrevoou, em helicóptero militar, Fort McMurray, uma cidade com mais de 70.000 habitantes situada no noroeste do país e que é o centro do setor petrolífero canadiano, durante mais de uma hora para supervisionar o prejuízo causado pelo incêndio.

A cidade, no noroeste da província de Alberta, foi totalmente evacuada em poucas horas em 03 de maio, quando um incêndio florestal iniciado poucos dias antes se aproximou com grande rapidez e de forma inesperada das suas proximidades.

A cidade permanece desabitada e as autoridades já fizeram saber que desaconselham qualquer regresso das pessoas às suas casas antes de duas semanas.

O incêndio permanece, entretanto, ativo e fora de controlo, tendo já consumido mais de 250 mil hectares de floresta, com os bombeiros a preverem que continue ativo durante várias semanas.

No final da sua deslocação a Fort McMurray, Trudeau falou aos jornalistas, perante mais de uma centena de bombeiros e membros das equipas de socorro, a quem disse: "Não creio que os canadianos já tenham entendido o que aconteceu".

Pela sua parte, admitiu que quer perceber as característica do incêndio: "Ouvi que ocorreram situações e peculiaridades com este incêndio que dão que pensar quando se tratar de planear para o futuro".

Trudeau assegurou que está "muito interessado" em saber o que foi feito para atacar o incêndio, mas também o que se pode fazer para minimizar os impactos do próximo, "porque vai haver".

Os meteorologistas assinalaram que as anormais condições climatéricas na região durante os últimos meses, com temperaturas muito superiores às normais e uma precipitação nula ou escassa durante o inverno e o início da primavera, permitiram o crescimento do incêndio para proporções descomunais.

Nos últimos dias, cientistas têm associado o incêndio às alterações climáticas, tema que é controverso em Fort McMurray, que é uma cidade criada pela exploração petrolífera das areias betuminosas.

O anterior governo canadiano, do conservador de Alberta Stephen Harper, retirou o Canadá do Protocolo de Quioto em 2011 para poder explorar sem limites as jazidas destas areias, associou o desenvolvimento destas ao bem-estar do país e minimizou o aquecimento global e os seus efeitos.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.