sicnot

Perfil

Mundo

"É difícil entender a dimensão da tragédia do fogo de Fort Murray"

O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, declarou hoje, depois de se vai deslocar à cidade de Fort McMurray, evacuada há 10 dias devido a um massivo incêndio florestal, que é difícil entender a dimensão da tragédia.

© Mark Blinch / Reuters

Trudeau sobrevoou, em helicóptero militar, Fort McMurray, uma cidade com mais de 70.000 habitantes situada no noroeste do país e que é o centro do setor petrolífero canadiano, durante mais de uma hora para supervisionar o prejuízo causado pelo incêndio.

A cidade, no noroeste da província de Alberta, foi totalmente evacuada em poucas horas em 03 de maio, quando um incêndio florestal iniciado poucos dias antes se aproximou com grande rapidez e de forma inesperada das suas proximidades.

A cidade permanece desabitada e as autoridades já fizeram saber que desaconselham qualquer regresso das pessoas às suas casas antes de duas semanas.

O incêndio permanece, entretanto, ativo e fora de controlo, tendo já consumido mais de 250 mil hectares de floresta, com os bombeiros a preverem que continue ativo durante várias semanas.

No final da sua deslocação a Fort McMurray, Trudeau falou aos jornalistas, perante mais de uma centena de bombeiros e membros das equipas de socorro, a quem disse: "Não creio que os canadianos já tenham entendido o que aconteceu".

Pela sua parte, admitiu que quer perceber as característica do incêndio: "Ouvi que ocorreram situações e peculiaridades com este incêndio que dão que pensar quando se tratar de planear para o futuro".

Trudeau assegurou que está "muito interessado" em saber o que foi feito para atacar o incêndio, mas também o que se pode fazer para minimizar os impactos do próximo, "porque vai haver".

Os meteorologistas assinalaram que as anormais condições climatéricas na região durante os últimos meses, com temperaturas muito superiores às normais e uma precipitação nula ou escassa durante o inverno e o início da primavera, permitiram o crescimento do incêndio para proporções descomunais.

Nos últimos dias, cientistas têm associado o incêndio às alterações climáticas, tema que é controverso em Fort McMurray, que é uma cidade criada pela exploração petrolífera das areias betuminosas.

O anterior governo canadiano, do conservador de Alberta Stephen Harper, retirou o Canadá do Protocolo de Quioto em 2011 para poder explorar sem limites as jazidas destas areias, associou o desenvolvimento destas ao bem-estar do país e minimizou o aquecimento global e os seus efeitos.

Lusa

  • Santana diz que Marcelo por vezes faz de conta que é primeiro-ministro
    1:12

    País

    Santana Lopes diz que a expectativa que Passos Coelho criou sobre o mau desempenho do Governo se está a virar-se contra ele. Numa entrevista ao jornal Expresso deste sábado, o ex-primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa considera contudo que Passos Coelho ainda poderá ganhar as próximas eleições. Sobre Marcelo, o atual provedor da Santa Casa da Misericórdia diz que por vezes faz de conta que é o primeiro-ministro.

  • Coala do Zoo de Duisburg viaja para Lisboa 

    País

    A SIC acompanhou, em exclusivo, a transferência de uma coala do Zoo de Duisburg, na Alemanha, para o Jardim Zoológico de Lisboa. O animal foi transportado pela TAP e batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Uma reportagem para ver mais logo no Jornal da Noite da SIC.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.