sicnot

Perfil

Mundo

Pistola usada para matar jovem negro desarmado nos EUA vale milhões num leilão

A pistola usada por um vigilante de bairro para matar um adolescente negro desarmado nos Estados Unidos em 2012 atingiu hoje o valor de mais de 53 milhões de dólares (46,6 milhões de euros) num leilão na Internet.

© POOL New / Reuters

Em menos de 24 horas, mais de 9.000 ofertas foram feitas após o lançamento do leilão com um preço de partida de 5.000 dólares (cerca de 4.400 euros), já acima do preço de mercado de uma arma em segunda mão.

Às 05:10 (10:00 em Lisboa), o leilão atingiu um valor superior a 53 milhões de dólares, mas é difícil verificar a seriedade das ofertas, porque alguns participantes utilizam pseudónimos e cobrem os seus próprios lances. O leilão ainda vai durar cinco dias.

George Zimmerman, antigo vigilante de bairro na Florida, abateu a 26 de fevereiro de 2012 Trayvon Martin, um adolescente negro de 17 anos que estava desarmado.

Em 2013, a justiça aceitou a tese de legítima defesa e absolveu Zimmerman. A família e amigos de Trayvon Martin afirmaram tratar-se de um crime racista.

No anúncio do leilão, Zimmerman apresenta a pistola, uma Kel-Tec PF-9 de nove milímetros, como "a arma utilizada para defender (a sua) vida e acabar com a agressão brutal de Trayvon Martin".

É uma "ocasião para adquirir um pedaço da história dos Estados Unidos", adianta dirigindo-se aos potenciais compradores.

"Tenho o orgulho de anunciar que uma parte do lucro da venda da pistola será usado para combater a violência do BLM (Black Lives Matter) contra os agentes da autoridade", disse.

O movimento antirracista Black Lives Matter desenvolveu-se após vários jovens negros terem sido mortos em todo o país, muitas vezes por polícias que não foram processados.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.