sicnot

Perfil

Mundo

Centros de refugiados na Alemanha registaram 45 incêndios desde janeiro

O número de incêndios criminosos contra centros de refugiados na Alemanha aumentou significativamente desde o início do ano, tendo atingido já os 45, indicou hoje o diretor da Polícia Criminal (BKA) alemã, Holger Munch.

Abrigo para refugiados no antigo aeroporto de Berlim Tempelhof.

Abrigo para refugiados no antigo aeroporto de Berlim Tempelhof.

© Fabrizio Bensch / Reuters

"O que nos inquieta em particular é a amplitude da violência", sublinhou Munch, lembrando que, em 2015, ano em que chegaram cerca de 1,1 milhões de migrantes à Alemanha, foram registados 92 incêndios de origem criminosa nos campos onde se encontram instalados os que querem pedir asilo.

Em 2014, acrescentou, foram registados seis incêndios.

"Os autores destes atos criminosos são, na maioria, homens e cerca de 80% vivem próximo do local em que os incêndios e a violência são provocados", sublinhou Munch.

O diretor do BKA assegurou, porém, não ter qualquer conhecimento de quaisquer ligações dos incêndios a movimentos de extrema-direita, regionais ou supra-regionais.

Munch salientou, no entanto, o aumento da violência verbal na Internet, que pode constituir um "trampolim" para se passar das palavras aos atos.

Na Alemanha, vários dos principais jornais locais, como, por exemplo, a edição "online" do Der Spiegel, encerraram os fóruns de discussão sobre temas ligados ao afluxo de refugiados devido às inúmeras injúrias escritas por internautas.

Com a chegada de um grande número de refugiados que fufiram da guerra e da miséria, a Alemanha assiste a um aumento significativo de atos de violência cometidos contra os migrantes, tendo como pano de fundo a subida nas sondagens da direita e da extrema-direita, ambas defensoras de políticas anti-migração.

Vários incêndios ou manifestações racistas chocaram a Alemanha em 2015, atos cometidos sobretudo em várias regiões da antiga Alemanha do Leste.

A polícia alemã não adiantou números sobre se se registaram mortos e feridos.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.