sicnot

Perfil

Mundo

Cristina Kirchner processada por prejuízos ao Estado

A ex-Presidente da Argentina Cristina Fernandez de Kirchner foi formalmente processada pela Justiça por alegados prejuízos ao Estado durante o seu mandato (2007-2015) no âmbito de uma investigação a operações do banco central do país.

Cristina Kirchner

Cristina Kirchner

© Marcos Brindicci / Reuters

Um juiz de uma instância nacional decidiu abrir um processo penal contra a ex-Presidente pelo crime de "administração infiel em prejuízo da administração pública" dentro "da causa pelo dólar futuro".

No auto de acusação, o juiz explica que o instrumento financeiro "dólar futuro", aplicado, neste caso, à compra e venda de divisas norte-americanas, é uma especulação em pesos contra a cotização futura do dólar.

O juiz processou também o último ministro da Economia de Kirchner, Axel Kiciloff, o ex-governador do banco central Alejandro Vanoli e outras 12 pessoas.

Todos foram já interrogados pela justiça no âmbito da investigação.

Em abril, Cristina Kirchner recorreu aos tribunais para se defender das acusações, argumentando que as operações em investigação "foram levadas a cabo legitimamente pelas autoridades do banco central", de acordo com a legislação em vigor.

Por outro lado, definiu-se como "ex-Presidente perseguida", fazendo acusações ao atual Governo e ao poder judicial.

A investigação judicial começou em outubro do ano passado na sequência de uma denúncia de deputados da oposição ao Governo de Kirchner.

Os deputados alegaram que com a celebração de contratos de dólar futuro, o banco central da Argentina vendeu dólares abaixo do preço estabelecido pela bolsa de Nova Iorque para este tipo de contratos.

Os cálculos do juiz é que com os contratos celebrados entre setembro e dezembro de 2015, o banco central perdeu o equivalente a 109 milhões de dólares norte-americanos.

A administração anterior do Banco Central da República da Argentina garantiu que se tratou de operações normais e habituais, usadas em diversos países para regular e dar previsibilidade ao mercado cambial.

No auto de acusação, o juiz considera "impensável" que Cristina Kirchner não soubesse de uma operação financeira desta dimensão.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.