sicnot

Perfil

Mundo

MNE francês refuta dúvidas de Netanyahu sobre imparcialidade da França

O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, que se deslocou a Israel para apresentar a iniciativa de Paris para relançar o esforço de paz entre israelitas e palestinianos, refutou hoje as dúvidas do primeiro-ministro israelita sobre "a imparcialidade" da França.

Jean-Marc Ayrault foi primeiro-ministro entre 2012 e 2014.

Jean-Marc Ayrault foi primeiro-ministro entre 2012 e 2014.

© Charles Platiau / Reuters

"A França é desinteressada, mas está profundamente convencida que se não queremos deixar prosperar, aqui nesta região, as ideias do Daesh é preciso fazer qualquer coisa", afirmou Jean-Marc Ayrault.

O chefe da diplomacia francesa falava aos jornalistas no aeroporto antes de partir de Israel e depois de encontros com Benjamin Netanyahu e o presidente da Autoridade Palestiniana Mahmud Abbas.

À saída do encontro com Ayrault, Netanyahu levantou dúvidas sobre "a imparcialidade" da iniciativa de Paris evocando um voto recente da França na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

"Disse (a Jean-Marc Ayrault) que a escandalosa resolução aprovada pela UNESCO com o apoio da França, que não reconhece a ligação de milhares de anos entre o povo judeu e o Monte do Templo, em Jerusalém, lança dúvidas sobre a imparcialidade do fórum que a França tenta reunir", afirmou Netanyahu.

O primeiro-ministro israelita referia-se ao projeto francês de conferência internacional de paz, que se realizará antes do final do ano, mas que conta com a oposição do governo israelita.

A UNESCO aprovou o mês passado uma resolução que não faz qualquer referência à ligação que os judeus têm com o Monte do Templo e à sua importância sagrada para o judaísmo.

O Monte do Templo, também designado de Nobre Santuário pelos muçulmanos, é um lugar sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos.

Lusa

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Político indiano oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.