sicnot

Perfil

Mundo

Marcha dos "Indignados" em Madrid assinala quinto aniversário do movimento

Vários milhares de pessoas desfilaram hoje nas ruas de Madrid por ocasião do quinto aniversário dos "Indignados", movimento nascido em Madrid para denunciar uma classe política afastada das realidades do país, a corrupção e a austeridade.

© Sergio Perez / Reuters

Em Madrid, o aniversário deste movimento foi também comemorado com concentrações na praça da Puerta del Sol, no centro da capital, que durante semanas foi ocupada pelos "Indignados".

"Há cinco anos, viemos para aqui e foi um momento muito comovente de despertar, de união, de coletivo", testemunhou Paola Weil, professora primária substituta, de 35 anos.

O "15-M" (15 de maio), primeiro dia de uma mobilização que se tornou no movimento dos "Indignados", "foi um movimento daqueles que estão na base", congratulou-se Lorenzo Higueras, documentalista, de 52 anos. "Não tínhamos consciência do que erámos: capazes de pensar e de agir", disse.

Este foi "o despertar de cidadãos que sofriam há anos em privado - como se fossem dores ou responsabilidades individuais - os efeitos de uma crise devastadora", escreveu também no jornal El Pais, Rita Maestre, porta-voz da câmara municipal de Madrid, liderada desde o ano passado por uma plataforma cidadã, em parte composta por indignados.

"O movimento alastrou", afirmou Alicia Ortells, enfermeira e militante do partido Podemos, de 57 anos. "Erámos zombies, apáticos. Foi um espetáculo que permitiu às pessoas questionarem-se".

A partir de 2008, mais de dois milhões de espanhóis perderam o seu emprego devido à crise económica, enquanto o governo socialista e depois o dos conservadores, aplicavam políticas de austeridade.

Nas legislativas de dezembro, os eleitores afastaram os dois partidos do poder, fazendo emergir dois novos partidos: Podemos, terceira força política, e Ciudadanos, de centro liberal.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.