sicnot

Perfil

Mundo

Marcha dos "Indignados" em Madrid assinala quinto aniversário do movimento

Vários milhares de pessoas desfilaram hoje nas ruas de Madrid por ocasião do quinto aniversário dos "Indignados", movimento nascido em Madrid para denunciar uma classe política afastada das realidades do país, a corrupção e a austeridade.

© Sergio Perez / Reuters

Em Madrid, o aniversário deste movimento foi também comemorado com concentrações na praça da Puerta del Sol, no centro da capital, que durante semanas foi ocupada pelos "Indignados".

"Há cinco anos, viemos para aqui e foi um momento muito comovente de despertar, de união, de coletivo", testemunhou Paola Weil, professora primária substituta, de 35 anos.

O "15-M" (15 de maio), primeiro dia de uma mobilização que se tornou no movimento dos "Indignados", "foi um movimento daqueles que estão na base", congratulou-se Lorenzo Higueras, documentalista, de 52 anos. "Não tínhamos consciência do que erámos: capazes de pensar e de agir", disse.

Este foi "o despertar de cidadãos que sofriam há anos em privado - como se fossem dores ou responsabilidades individuais - os efeitos de uma crise devastadora", escreveu também no jornal El Pais, Rita Maestre, porta-voz da câmara municipal de Madrid, liderada desde o ano passado por uma plataforma cidadã, em parte composta por indignados.

"O movimento alastrou", afirmou Alicia Ortells, enfermeira e militante do partido Podemos, de 57 anos. "Erámos zombies, apáticos. Foi um espetáculo que permitiu às pessoas questionarem-se".

A partir de 2008, mais de dois milhões de espanhóis perderam o seu emprego devido à crise económica, enquanto o governo socialista e depois o dos conservadores, aplicavam políticas de austeridade.

Nas legislativas de dezembro, os eleitores afastaram os dois partidos do poder, fazendo emergir dois novos partidos: Podemos, terceira força política, e Ciudadanos, de centro liberal.

Lusa

  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".

  • O regresso a casa depois do incêndio no Sardoal
    2:43
  • Cerca de 20 mil portugueses vivem em Barcelona
    1:44