sicnot

Perfil

Mundo

Netanyahu questiona imparcialidade da França na iniciativa para a paz da UNESCO

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Natanyahu, revelou hoje ter comunicado ao ministro dos Negócios Estrangeiros que o apoio dado por Paris à resolução da UNESCO sobre Jerusalém lança dúvidas sobre a imparcialidade da iniciativa de paz.

© Ronen Zvulun / Reuters

"Eu disse-lhe que a escandalosa resolução aprovada pela UNESCO com o apoio da França, que não reconhece a ligação de milhares de anos entre o povo judeu e o Monte do Templo, em Jerusalém, lança dúvidas sobre a imparcialidade da França no processo", disse Netanyahu aos membros do seu Governo, após o encontro com Jean-Marc Ayrault.

O Monte do Templo, também designado de Nobre Santuário pelos muçulmanos, é um lugar sagrado para judeus, cristãos e muçulmanos, sendo um dos locais mais disputados do mundo.

Netanyahu aludia a uma resolução aprovada o mês passado pela UNESCO que não faz qualquer referência ao facto à ligação que os judeus têm com o Monte do Templo e à sua importância sagrada para o judaísmo.

Ayrault visitou Jerusalém e Ramallah, onde se avistou com o presidente palestiniano Mahmud Abbas, para preparar o encontro internacional, a 30 de maio, destinado a reatar as conversações de paz, depois do colapso em abril de 2014 do acordo mediado pelos Estados Unidos.

Os representantes israelitas e palestinianos não foram convidados para o encontro em França, tendo Netanyahu reiterado a sua oposição às tentativas indiretas de solucionar o conflito, acusando os palestinianos de se recusarem a ter negociações diretas.

"Disse-lhe (a Ayrault) que a única maneira de avançar uma paz verdadeira entre nós e os palestinianos é através de conversações directa, sem pré-condições", relatou Netanyanhu aos seus ministros.

Segundo o primeiro-ministro israelita, qualquer tentativa indirecta e distante de negociar a paz permite aos palestinianos fugirem da questão central do conflito, que é não reconhecerem o Estado de Israel".

"Eles, simplesmente, evitam negociar connosco", observou Netanyanhu.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras