sicnot

Perfil

Mundo

Chinês abatido pela polícia após matar três homens ao resistir a demolição forçada

Um aldeão chinês foi abatido a tiro pela polícia, na província de Henan, centro da China, após ter morto um funcionário do Governo e dois homens quando resistia à demolição forçada da sua casa.

globaltimes

Segundo o jornal oficial Global Times, Fan Huapei, de 36 anos, terá morto um responsável pelo gabinete administrativo do distrito de Huiji, na cidade de Zhengzhou, e dois trabalhadores da equipa de demolição e ferido um terceiro trabalhador.

Fan terá depois resistido à polícia, que terá primeiro disparado um tiro de advertência, quando o homem tentou escapar de carro, antes de desferir o tiro fatal.

O caso ilustra a frequente tensão entre moradores e autoridades em torno das demolições forçadas na China, com os vizinhos de Fan a apelidá-lo de "herói".

De acordo com o jornal Beijing News, centenas de locais compareceram no funeral de Fan, enquanto 150 aldeões, assim como um grande número de pessoas não identificadas contribuíram com donativos para a família.

A família de Fan disse ao mesmo jornal que a compensação "injusta" proposta pelas autoridades de Huiji terá enfurecido o homem.

Fan terá pago 700.000 yuan (94.000 euros) por um prédio de sete andares, que planeava arrendar, mas o Governo local fixou o valor da compensação em 500.000 yuan (67.000 euros), uma quantia insuficiente para pagar a dívida que este terá contraído.

"A China carece de uma supervisão efetiva em casos de demolições forçadas. As pessoas com propriedades que são demolidas reagem violentamente, e os seus atos são vistos como heroicos", afirmou ao Global Times Hu Xingdou, professor do Beijing Institute of Technology e especialista em questões sociais.

Em janeiro, um hospital de Huiji foi parcialmente demolido com vários médicos e doentes no seu interior sendo que a morgue foi completamente destruída ainda com corpos no necrotério, segundo noticiou na altura a agência oficial chinesa Xinhua.

A mesma fonte relatou que três funcionários do hospital ficaram feridos durante confrontos com os trabalhadores que procediam à demolição.

Lusa

  • Marcelo promete entregar carta de menina com paralisia cerebral ao primeiro-ministro
    3:05

    País

    O Presidente da República está preocupado com os cuidadores dos cidadãos que precisam de cuidados paliativos. No Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinalou este sábado, Marcelo Rebelo de Sousa visitou a Casa do Tejo, em Algés, onde três famílias de crianças com paralisia cerebral e outros problemas de saúde são recebidas em conjunto com os pais para que toda a famíla possa receber apoio de técnicos especializados. O Presidente recebeu uma carta de uma menina de 5 anos, com paralisia cerebral, e prometeu que a vai entregar ao primeiro-ministro, para que seja aberta uma porta legislativa mais larga para os problemas das pessoas deficientes.

  • O impacto e as consequências do referendo em Itália
    1:02