sicnot

Perfil

Mundo

Grupo bacteriano encontrado no oceano poderá ajudar a regular clima

Uma equipa de cientistas britânicos descobriu no oceano um grupo bacteriano que poderá desempenhar um papel importante na regulação do clima da Terra, segundo divulgou hoje a revista especializada Nature Microbiology.

© John Schults / Reuters

O estudo desenvolvido pelos especialistas descobriu que o grupo 'Pelagibacterales', que está incluído entre os organismos mais abundantes no planeta, desempenha um papel importante no processo de estabilização da atmosfera terrestre.

Este grupo, formado até meio milhão de células microbiais, está presente em gotículas de água do mar, equivalentes em tamanho a uma pequena colher.

Ben Temperton, professor do Departamento de Biociência da Universidade de Exeter (Inglaterra), foi um dos elementos da equipa de investigadores que, pela primeira vez, identificou o grupo 'Pelagibacterales' como a origem provável da produção do composto químico sulfureto de dimetilo (DMS).

O DMS estimula a formação das nuvens e é uma substância fundamental na chamada "hipótese de Claw", segundo a qual alguns organismos do fitoplâncton marinho (constituído por seres fotossintéticos de pequenas dimensões, como certas bactérias e algas microscópicas e filamentosas) contribuem para a formação do sulfureto de dimetilo, que posteriormente vai regular a formação das nuvens.

Através de vários processos químicos, o DMS aumenta as micro- gotículas de água, formadas por condensação do vapor de água, que, por sua vez, reduzem a quantidade de luz solar projetada sobre a superfície oceânica.

Estes últimos resultados científicos revelam a importância do grupo 'Pelagibacterales' neste processo e abrem o caminho para novas investigações.

"Este trabalho mostra que o grupo 'Pelagibacterales' constitui um composto importante na estabilidade climática. Se vamos melhorar os modelos de como o DMS tem impacto no clima, precisamos de considerar este organismo como um dos principais contribuintes", afirmou Ben Temperton.

O investigador britânico destacou ainda que o estudo mostrou um resultado "fascinante", ou seja, "a elegância e a simplicidade da produção de DMS no grupo 'Pelagibacterales'".

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC