sicnot

Perfil

Mundo

Mais de 900 mil moçambicanos precisam de assistência alimentar devido à seca

Mais de 900 mil pessoas das cerca de 1,4 milhões afetadas pela seca em Moçambique precisam de assistência alimentar durante o mês de maio, informou hoje à Lusa fonte do Instituto Nacional de Gestão de Calamidades (INGC).

© Eldson Chagara / Reuters

"O nosso plano, como Governo, abrange cerca de 472 mil pessoas e para o restante número dependemos da ajuda dos nossos parceiros", disse Paulo Tomás, acrescentando que a logística para a assistência mensal dos afetados está a acarretar elevados custos.

As províncias do centro e do sul de Moçambique são as mais atingidas pela seca e, segundo os dados do INGC, apenas 10% dos camponeses conseguiram ter resultados no primeiro período da época agrícola.

A situação das pessoas afetadas pela seca em Moçambique levou o Governo a decretar em abril "alerta vermelho", uma estratégia para dinamizar as ações de assistência às populações e que prevê cerca de 580 milhões de meticais (mais de nove milhões de euros) para reforçar a assistência alimentar, no âmbito do Plano de Contingência.

"A nossa intenção é cobrir todos os afetados", frisou o porta-voz do INGC, observando que na zona norte a situação está controlada mas ainda exige atenção de todos.

Para fazer face à situação, segundo o INGC, o Governo moçambicano precisa de três mil toneladas de cereais e duas mil toneladas de feijão por mês, uma quantidade de produtos avaliada em 13 milhões de dólares (11 milhões de euros) mensais.

Moçambique é sazonalmente atingido por cheias, fenómeno justificado pela sua localização geográfica, a jusante da maioria das bacias hidrográficas da África Austral, mas o sul do país é afetado por secas prolongadas e que este ano atingem também as províncias da região centro.

Além de Moçambique, a seca afeta vários países da África Austral, tendo levado o Malaui, a Zâmbia e o Zimbabué a declararem o estado de emergência devido à falta de alimentos.

A estiagem, que dura há mais de um ano, afeta ainda a maior potência da região, a África do Sul, que declarou esta seca como a pior dos últimos cem anos.

Lusa

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • Sociedade de Pneumologia recomenda cuidados com calor e incêndios

    País

    A Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) alertou esta quarta-feira para os riscos respiratórios decorrentes dos incêndios e temperaturas elevadas, sobretudo para quem sofre de doenças crónicas, propondo medidas preventivas e recordando o aumento de mortalidade associado ao calor.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira

  • "Estou grávida! Estou a morrer!"
    1:14
  • Mulher vive sozinha numa ilha há 40 anos

    Mundo

    Zoe Lucas é a única pessoa a viver numa ilha canadiana, no norte do Atlântico. Nas últimas quatro décadas, a mulher de 67 tem partilhado a ilha Sable com cerca de 400 cavalos selvagens e 350 espécies de pássaros.