sicnot

Perfil

Mundo

Catástrofe da Revolução Cultural "nunca se repetirá", escreve jornal estatal chinês

O caos da Revolução Cultural "nunca se repetirá", escreveu hoje um jornal oficial chinês, numa rara referência aos 50 anos desde o início de uma década vista atualmente como "o maior erro da história do socialismo na China"

Reuters

Foi exatamente há meio século que o histórico líder chinês Mao Zedong lançou oficialmente aquela radical campanha política e social de massas, destinada a consolidar o seu poder absoluto.

O Partido Comunista Chinês (PCC) continua, no entanto, a limitar o debate, com os comentários nas redes sociais chinesas sobre a Revolução Cultural a serem censurados, enquanto a imprensa local ignorou a efeméride.

Críticos do regime consideram que as restrições potenciam uma repetição da catástrofe.

"Nós despedimo-nos da Revolução Cultural", afirmou, em editorial, o jornal oficial Global Times, proclamando que "hoje podemos dizer mais uma vez que a Revolução Cultural não pode e não voltará a acontecer. Não existe lugar para isso na China atual".

O Diário do Povo, o jornal oficial do PCC, que não fez qualquer referência ao aniversário, disse apenas que o país aprendeu uma lição e continuou em frente.

A China "não vai e nunca mais deve permitir que um erro como a Revolução Cultural se repita", afirmou, classificando aquela campanha como totalmente errada "em ambas teoria e prática".

A "História sempre se desenvolve numa direção progressiva", sublinhou.

Em 1981, a Revolução Cultural foi oficialmente considerada pelo PCC como um erro grave e "catastrófico para o Partido, o Estado e toda a população", uma decisão que o Diário do Povo classifica de "científica e correta".

A resolução atribuiu as culpas a Mao Zedong, evitando uma responsabilização direta do partido.

Reminiscências do maoismo continuam, no entanto, patentes na segunda maior economia do mundo.

No início do mês, um concerto que marcou o aniversário da Revolução Cultural, no Grande Palácio do Povo, em Pequim, reanimou o debate sobre aquele período, ao entoar música e exibir imagens da propaganda ideológica de então.

Numa reação, o Global Times procurou afastar os receios de um ressurgimento neo-maoista, apontando que a China aprendeu uma lição com a "dor permanente", causada por aquela década caótica.

A Revolução Cultural ensinou a sociedade chinesa a "manter-se vigilante contra os perigos acarretados por qualquer tipo de desordem (?) Ninguém teme tumultos e deseja mais a estabilidade do que nós", realçou.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.