sicnot

Perfil

Mundo

Catástrofe da Revolução Cultural "nunca se repetirá", escreve jornal estatal chinês

O caos da Revolução Cultural "nunca se repetirá", escreveu hoje um jornal oficial chinês, numa rara referência aos 50 anos desde o início de uma década vista atualmente como "o maior erro da história do socialismo na China"

Reuters

Foi exatamente há meio século que o histórico líder chinês Mao Zedong lançou oficialmente aquela radical campanha política e social de massas, destinada a consolidar o seu poder absoluto.

O Partido Comunista Chinês (PCC) continua, no entanto, a limitar o debate, com os comentários nas redes sociais chinesas sobre a Revolução Cultural a serem censurados, enquanto a imprensa local ignorou a efeméride.

Críticos do regime consideram que as restrições potenciam uma repetição da catástrofe.

"Nós despedimo-nos da Revolução Cultural", afirmou, em editorial, o jornal oficial Global Times, proclamando que "hoje podemos dizer mais uma vez que a Revolução Cultural não pode e não voltará a acontecer. Não existe lugar para isso na China atual".

O Diário do Povo, o jornal oficial do PCC, que não fez qualquer referência ao aniversário, disse apenas que o país aprendeu uma lição e continuou em frente.

A China "não vai e nunca mais deve permitir que um erro como a Revolução Cultural se repita", afirmou, classificando aquela campanha como totalmente errada "em ambas teoria e prática".

A "História sempre se desenvolve numa direção progressiva", sublinhou.

Em 1981, a Revolução Cultural foi oficialmente considerada pelo PCC como um erro grave e "catastrófico para o Partido, o Estado e toda a população", uma decisão que o Diário do Povo classifica de "científica e correta".

A resolução atribuiu as culpas a Mao Zedong, evitando uma responsabilização direta do partido.

Reminiscências do maoismo continuam, no entanto, patentes na segunda maior economia do mundo.

No início do mês, um concerto que marcou o aniversário da Revolução Cultural, no Grande Palácio do Povo, em Pequim, reanimou o debate sobre aquele período, ao entoar música e exibir imagens da propaganda ideológica de então.

Numa reação, o Global Times procurou afastar os receios de um ressurgimento neo-maoista, apontando que a China aprendeu uma lição com a "dor permanente", causada por aquela década caótica.

A Revolução Cultural ensinou a sociedade chinesa a "manter-se vigilante contra os perigos acarretados por qualquer tipo de desordem (?) Ninguém teme tumultos e deseja mais a estabilidade do que nós", realçou.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.