sicnot

Perfil

Mundo

Cogumelos mágicos para tratar a depressão

Cogumelos alucinogénios foram utilizados em doentes com depressão major com bons resultados. Os cientistas deixam no entanto o alerta para que doentes com depressão não utilizem cogumelos mágicos sozinhos, fora do controlo médico.

PETER DEJONG / AP

A substância ativa nos cogumelos - a psilocibina - poderá ser uma resposta para quem sofre de depressão, é a esperança de cientistas britânicos que conduziram uma experiência com 12 voluntários.

Esta investigação, que envolveu vários anos e muito dinheiro dadas as restrições de utilização desta droga de classe 1 no Reino Unido, descobriu que duas doses de psilocibina foram suficientes para que os 12 voluntários não se sentissem depressivos durante três semanas e os efeitos perduram até três meses em cinco dos doentes.

Dado que a experiência foi restrita e não houve um grupo de controlo a quem fosse dado um placebo, o estudo financiado pelo Medical Research Council e publicado na revista Lancet Psychiatry, é ainda considerado meramente indicativo.

Os cientistas do Imperial College London esperam, no entanto, que os resultados apresentados possam encorajar outros investidores de forma a ser feita uma experiência completa.

Os cientistas alertam para que doentes com depressão não utilizem cogumelos mágicos sozinhos, sem controlo médico.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.