sicnot

Perfil

Mundo

"É uma questão de tempo para que o parlamento venezuelano desapareça"

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse hoje que "é uma questão de tempo" para que o parlamento venezuelano "desapareça", por estar desligado dos interesses do país.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

"A Assembleia Nacional (AN) da Venezuela perdeu vigor político. É questão de tempo para que desapareça", disse.

Nicolás Maduro falava em Caracas, no palácio presidencial de Miraflores, durante uma conferência de imprensa em que vincou que nenhum venezuelano espera algo de bom do atual parlamento.

"A AN está desligada dos interesses nacionais. Tenho a certeza que [os parlamentares] vão negar o decreto, porque querem acabar com a vida económica do país, para chegar, com um tapete vermelho a Miraflores", frisou.

Nicolás Maduro fazia alusão ao recente decreto presidencial de extensão do estado de "exceção e emergência económica" no país, que precisa da aprovação do parlamento e do Supremo Tribunal de Justiça para entrar em vigor.

Por outro lado, explicou que "há um poquinho de loucura, de desesperação" no parlamento venezuelano, porque a maioria opositora propôs-se alcançar "objetivos inatingíveis", entre eles a realização de um referendo revogatório do mandado do chefe de Estado.

"Todos os referendos são uma opção, não uma obrigação. Não estamos obrigados a fazer um referendo no país. São uma opção e tem os seus mecanismos legais para ativar-se. Eu repito isso. Os referendos, de qualquer tipo, na Venezuela, são uma bonita opção, mas para que se convertam em realidade necessitam cumprir a lei e os requerimentos", frisou.

Segundo Nicolás Maduro, a oposição não quer que o referendo se realize, porque deveria ter feito o pedido a 11 de janeiro, data em que o mandato do chefe de Estado chegou à metade.

"A 11 de janeiro eles poderiam ativar essa possibilidade. O certo é que eles não queriam o referendo. Eles querem um golpe de Estado, uma guerra económica. (...) Não o ativaram [o referendo] na data que tinham que ativar e fizeram-no entre cotoveladas e pontapés", disse.

Questionado sobre o facto de o presidente da Câmara Municipal de Libertador, Jorge Rodríguez, não ter permitido as marchas no centro de Caracas, o chefe de Estado acusou os oposicionistas de quererem "impor a insurreição" na capital.

"Aqui pode marchar quem quiser, mas vocês sabem que há planos para converter, em Caracas, essas marchas em eventos insurrecionais. Eles não podem impor a insurreição no país. Se eles querem marchar que o façam de Chacaíto a Altamira [ambas localidades a leste de Caracas]", disse.

Segundo Nicolás Maduro, cada vez que a oposição marcha até ao centro de Caracas "há mortos".

O presidente da Venezuela denunciou que "está montado um cenário de violência para justificar uma intervenção estrangeira" e acusou a imprensa internacional de estar a apoiar os grupos da "direita" que procuram acabar com a paz no país.

Lusa

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48